Americanos apóiam reforma imigratória

0
421

Uma grande porcentagem de americanos estão dispostos a respaldar medidas de Obama em matéria de imigração

Mais de 60% dos americanos estão a favor de um caminho que outorgue a cidadania os imigrantes que já vivem sem residência legal nos Estados Unidos, de acordo com uma nova pesquisa da The Associated Press-GfK.

Animado pelo significativo respaldo hispânico e por uma mudança de atitude em relação à imigração, Obama tomou como peça central de seu segundo mandato a reforma das leis de imigração, como aquele relativo a quem pode viver legalmente nos Estados Unidos.
Espera-se que nas próximas semanas Obama impulsione energicamente as formas para criar um caminho para a cidadania para os quase 11 milhões de imigrantes irregulares que vivem nos Estados Unidos.

A sondagem mostra que os cidadãos em geral, não só os hispânicos, respaldarão seus esforços.

Na verdade, 62% dos americanos estão a favor de um caminho para que os imigrantes possam se tornar cidadãos. Isto significa um percentual significativamente maior do que a última vez que The Associated Press fez a mesma pergunta em 2010, quando só 50% apoiavam a ideia. Em 2009, o apoio era de apenas 47%.

Reforçando mais o apoio ao presidente sobre o assunto, os democratas abriram uma vantagem de 41% a 34% sobre os republicanos, como o partido mais confiável para cuidar do tema imigratório a primeira vez que têm uma vantagem significativa na sondagem da AP-GfK.

Em outubro de 2010, os republicanos tinham vantagem sobre os democratas, com 46% contra 41% dos democratas neste mesmo quesito.

Mudança de postura

Grande parte da reviravolta foi impulsionada pela mudança do ponto de vista dos republicanos. A maioria no Partido Republicano (53%) agora está a favor de que os imigrantes sem permissão tenham a possibilidade de obter a cidadania. Em 2010, o percentual foi de 22%.
Além disto, 72% dos democratas e 55% dos independentes apoiaram a ideia, quase igual à pesquisa de 2010.

Isto indica que aqueles legisladores republicanos que consideram apoiar um eventual status legal para os imigrantes poderão ser recompensados politicamente, não só por democratas e independentes, como também por alguns dentro de seu próprio partido.

Nas eleições de novembro, os eleitores latinos respaldaram Obama com 71% dos votos, contra 27% que preferiram o candidato presidencial republicano Mitt Romney. Romney recebeu inclusive menos apoio de latinos do que o presidente republicano George W. Bush.
Alguns republicanos concluíram que respaldar uma reforma imigratória que inclua um caminho para a cidadania está tornando-se uma necessidade política.

Muitos legisladores continuam opondo-se firmemente e não está claro se o Congresso a aprovará com um enfoque mais abrangente, mas um grupo bipartidário no Senado está trabalhando em uma minuta. Por sua vez, o senador republicano Marco Rubio e possível candidato presidencial em 2016, apresentou propostas que no final poderiam permitir aos imigrantes irregulares alcançar um status legal.

A pesquisa da The Associated Press-GfK foi realizada entre 10 e 14 de janeiro pela GfK Roper Public Affairs and Corporate
Communications. Incluiu entrevistas telefônicas com 1,004 adultos em todo o país e tem uma margem de erro de mais ou menos 4 pontos porcentuais.