Americanos descobrem os encantos de Goiânia

0
3162

A capital de Goiás prova que também é Brasil e atrai muitos intercambistas estrangeiros

Mayara Caramaschi
Colaboração


Lorenz com amigos realizando trabalho voluntário em ONG de Goiânia

As evidências mostram que os estrangeiros que querem conhecer a cultura brasileira estão mudando a visão de que o grande barato do Brasil está em São Paulo ou no Rio de Janeiro. Goiânia tem atraído intercambistas do mundo inteiro todos os semestres. É comum ir a lugares públicos e ouvir um diálogo em “portunglês”: goianos buscando aprender o inglês e gringos tentando aprender português. Afinal, o importante é se comunicar!

Segundo pesquisa do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), Censo 2010, Goiânia é a cidade com a área urbana mais verde do país. A capital já está inserida na globalização. Vida agitada, relações sociais, evolução contínua, diversas opções de lazer e cerca de nove meses de sol por ano atraem os estrangeiros.

A população da cidade ultrapassa a marca de dois milhões de habitantes. Apesar de ser uma cidade moderna, a capital carrega uma imagem provinciana tradicional em razão dos patrimônios, estilo musical e culinária.

Lorenz Lima tem 21 anos e decidiu fazer um intercâmbio em Goiânia. Para ele, a vida em Goiânia é bastante descontraída. De acordo com o jovem, o transporte público ainda tem muito que melhorar, pois o sistema de sitpass não é conveniente para os usuários do transporte coletivo. “A comida é incrível. É muito diferente da comida americana”, afirma Lorenz. Ele comenta que as pessoas são muito calorosas e acolhedoras. “Apenas alguns falam inglês, por isso é difícil se comunicar com todos. As festas daqui são ótimas! A música é incrível! De forma geral, Goiânia é um bom lugar para estar, viajar ou para viver”, conta ele. Lorenz explica que decidiu fazer o intercâmbio no Brasil porque ouviu ótimas histórias sobre o país e acredita que a cultura é rica. Lorenz permanecerá em Goiânia por dois meses. Juntamente com outros jovens estrangeiros, ele realiza trabalhos voluntários em ONGs.

Amor pelo Brasil

Hannah Marie morava em Laramie, Wyoming. Ela decidiu fazer um programa de intercâmbio no Brasil quando se deu conta de que precisava sair da cidade natal, sair da zona de conforto, aprender mais sobre o mundo e sobre si mesma. Para ela, seria possível começar uma nova história, onde ninguém a conhecia e então poderia explorar seu potencial longe da expectativas das pessoas que conviveram com ela a vida toda. Hannah queria aprender outro idioma, estava dividida entre português e espanhol, mas vários amigos a explicaram que o caminho melhor era aprender o português primeiro. Os responsáveis pelo programa de intercâmbio escolheram Goiânia como destino.
Hannah morou em Goiânia durante um ano e meio. Ela teve a oportunidade de estudar em escolas brasileiras e ensinar inglês para algumas pessoas.“Viver em Goiânia mudou minha vida para sempre. Minha experiência como estudante de intercâmbio me deu coragem de viver autenticamente e apaixonadamente. Levei isso como uma faculdade para o mundo real”, conta Hannah.

A jovem se tornou uma grande amiga da família goiana que a acolheu muito bem. Apesar da capital contar com uma população de mais de dois milhões de pessoas, Hannah costumava sentir-se em uma cidade pequena, pois todo mundo se conhecia. Ela também salienta o clima de pecuária que sentia nas casas por onde passou.

Quando Hannah foi perguntada sobre o que menos gostou da experiência em Goiânia, ela respondeu que achou que as pessoas são muito ligadas às questões de consumo de roupas, sapatos, maquiagem e dão muito valor às aparências. Ela relembra que era comum ouvir dos amigos brasileiros: “Vamos lá na festa, haverá muita gente bonita!”.

Quando a jovem voltou para a cidade natal e começou a estudar na Universidade de Wyoming encontrou uma comunidade enorme de brasileiros e se sentiu à vontade falando português todos os dias . De acordo com ela, a experiência no Brasil enriqueceu a graduação dela em Estudos Internacionais.