Após passagem de tornado, moradores do Kansas voltam para casa

0
513

Depois da passagem do mais poderoso tornado a atingir os Estados Unidos em oito anos, uma pessoa foi encontrada viva nos destroços na cidade de Greensburg, no Kansas, destruída pelo mau tempo. O encontrou do sobrevivente foi uma boa notícia para os moradores que retornavam nesta segunda-feira a suas casas em ruínas.

Moradora de Greensburg visita ruínas de sua casa após passagem de tornado
As equipes encontraram o sobrevivente ontem, o que gerou esperança de que outras pessoas ainda estejam vivas sob os destroços, informou o porta-voz da patrulha rodoviária do Kansas Ron Knoefel. Oficiais também afirmaram que ao menos oito pessoas morreram na cidade de Greensburg, de 1.500 habitantes, o que aumenta para dez o número total de mortos em todo o Estado pelas tempestades do final de semana segundo a agência Associated Press.

“Já reviramos a cidade duas vezes agora”, disse o major general Todd Bunting, do Kansas. Ele informou que as buscas estão sendo feitas com parceiros no Estado e especialistas de cidades com resgates técnicos. “Fizemos tudo que podíamos, e faremos de novo”, disse ele, ao comunicar que uma terceira busca já foi iniciada.

O tornado demoliu todos os escritórios comerciais da rua principal de Greensburg. Árvores perderam os galhos, igrejas ficaram sem as torres, e os bairros foram deixados irreconhecíveis. Estimativas oficiais apontam que 95% da cidade foi destruída.

Os moradores locais receberam permissão para voltarem ao que restou de suas casas hoje. Com o retorno, as equipes de busca poderão avaliar melhor se há pessoas desaparecidas que ainda pode estar soterradas sob os escombros.

Zona de desastre

O presidente americano George W. Bush declarou neste domingo zona de desastre no sudoeste do Kansas (centro) devido ao tornado e às tempestades.

A declaração de zona de desastre feita pela Casa Branca permite a concessão de fundos federais para as zonas e pessoas afetadas pelo desastre.

“A ajuda permite a obtenção de fundos para alojamento temporário e reparos em casas, créditos de baixo custo para cobrir os estragos nas propriedades ou objetos perdidos que não estavam assegurados, e outros programas para ajudar as pessoas e as empresas a se recuperarem dos efeitos do desastre”, disse ontem o assessor de imprensa da Casa Branca, Tony Snow, em um comunicado.

Nesta segunda-feira, a governadora Kathleen Sebelius foi a Greensburg, e o diretor da Agência Federal de Gerenciamento de Emergências, David Paulison, planeja um tour pelo local da devastação pela primeira vez desde que o tornado atingiu o local, na noite da última sexta-feira (4).

Depois da tempestade

Oficiais locais afirmaram que as aulas para os cerca de 300 estudantes da área foram canceladas pelo resto do ano.

Um voluntário mostra meteorito encontrado nos destroços de Greensburg após tornado
Durante as buscas de hoje, um voluntário encontro um meteorito de 454 kg que pertence a um museu local. Um dos maiores de seu tipo no mundo o meteorito tem um seguro no valor de US$ 1 milhão.

O sistema de tempestades que varreu a região centro-sul do Kansas também gerou tornados nos Estados do Illinois, Oklahoma, Dakota do Sul e Nebraska, e a chuva forte detonou alertas contra enchentes nesta segunda-feira na área.

O tornado teve ventos estimados de até 330 km/h. O Serviço Nacional de Meteorologia classificou o tornado como de tipo F5 –a categoria mais alta, segundo uma classificação revisada da agência. O último tornado F5 atingiu a região de Oklahoma City em 3 de maio de 1999, matando 36 pessoas.

“Podemos dizer que a cidade foi apagada da face da Terra”, comentou o senador Pat Roberts, que esteve no local, à rede de TV americana CNN. Andrea Anglin, da organização humanitária Cruz Vermelha, afirmou à CNN que 90% da cidade estava destruída.

O Serviço Nacional de Meteorologia advertiu sobre condições adversas para os próximos dias no centro do país. Um alerta de tornado foi lançado para grande parte do país envolvendo sete estados, do norte do Texas a Dakota do Sul.

Meteorologistas advertiram para “uma situação extremamente perigosa e com risco de morte” no centro do Nebraska.