Aumentaram deportações por infrações de trânsito

0
662

Segundo relatório do Departamento de Segurança Nacional (DHS), o governo federal deportou um recorde de 393.000 imigrantes indocumentados no último ano fiscal

As deportações de pessoas que cometeram infrações de trânsito, leis imigratórias ou que foram pegas dirigindo bêbadas aumentaram durante o ano fiscal 2010 e ajudou o governo do presidente Barack Obama a estabelecer um recorde de imigrantes expulsos, conforme divulgou a agência noticiosa The Associated Press.

Os Estados Unidos deportaram 393 mil pessoas em 2010, das quais apenas a metade eram consideradas delinquentes. A informação do Serviço de Imigração e Controle de Alfândega dos Estados Unidos (ICE) mostrou que das pessoas deportadas, 27,635 foram presas por dirigir embriagadas, número que superou o dobro dos 10,851 casos de pessoas deportadas pelo mesmo tipo de delito dois anos antes.

A Coalizão pelos Direitos Humanos dos Imigrantes de Los Angeles (CHIRLA) advertiu em março que o número de imigrantes deportados que não cometeram faltas graves ou alguma ameaça para a segurança nacional dos Estados Unidos cresceu de maneira alarmante. “Entre seis e sete de cada 10 deportados nos últimos dois anos não tinha delitos graves”, comentou Jorge Mario Cabrera, diretor de comunicações da CHIRLA. “E o número de expulsos durante os dois primeiros anos do governo do presidente Barack Obama ficou perto de um milhão de pessoas”, completou.

A quantidade de pessoas com processos penais expulsa aumentou 81 mil no ano fiscal 2010, segundo os dados do órgão de imigração e alfândega (ICE). “Este governo se concentrou em velar pelo cumprimento de nossas leis de imigração de maneira sensata e eficaz, priorizando a segurança pública e nacional”, comentou a chefe do DHS dos Estados Unidos, Janet Napolitano.

A Associated Press divulgou que 13,028 pessoas foram deportadas no ano passado após terem sido detidas por infrações de trânsito menos graves, quase três vezes mais do que os 4,527 casos de deportação pelo mesmo delito registrados em 2008, o último ano do governo do então presidente George W. Bush. Entre outubro de 2008 a abril de 2011 foram deportados mais de 31 mil não condenados e mais de 33 mil condenados com até dois delitos menores, de acordo com o ICE.

Para o órgão federal, no entanto, a classificação de “não condenado” significa que o imigrante não foi considerado culpado pelo delito, mas não quer dizer que o imigrante não tenha sido preso antes, nem que não tenha entrado novamente no país ilegalmente ou que não tenha ordem de deportação.

Em meados de junho, John Morton, diretor do ICE, anunciou mudanças na política de imigração que regulamenta o controvertido programa Comunidades Seguras e assegurou que os esforços estarão concentrados nos indivíduos que tenham cometido delitos graves.

Morton disse que as mudanças foram originadas em função das preocupações das autoridades locais e de comunidades, que manifestaram seu desacordo com o programa. Acrescentou, ainda, que será criado um comitê assessor para fornecer ideias a fim de reformar o programa, e reiterou que o objetivo é concentrar-se naqueles que tenham cometido delitos graves e não naqueles com pequenas infrações.

As novas políticas anunciadas pelo ICE em junho orientam os policiais que participam do Comunidades Seguras a evitar que as vítimas e testemunhas de delitos terminem enfrentando processos de imigração que possam levar à sua deportação. E os críticos têm dito que o programa Comunidades Seguras desincentiva os imigrantes a denunciar crimes.