Barco com imigrantes, entre eles brasileiros, vira perto de Palm Beach

0
653

Depois de os agentes atirarem no motor da embarcação, barco vindo das Bahamas com brasileiros é interceptado, abordado e vira com todo mundo dentro

Os agentes da Patrulha de Fronteira dispararam em direção a um barco que trazia 14 imigrantes ilegais antes de fazer a abordagem. A embarcação virou e atirou todos que estavam a bordo nas águas escuras do mar perto do condado de Palm Beach, de acordo com os documentos da corte federal.

Os ocupantes, que não tinham coletes salva-vidas, foram resgatados e levados por agentes da Guarda Costeira e da Patrulha de Fronteira para um posto da Guarda Costeira dos EUA em Riviera Beach, confirmaram os agentes.

“Isto é um exemplo do grave perigo que os traficantes colocam os estrangeiros que querem entrar ilegalmente nos Estados Unidos transportando-os sem as mínimas condições de segurança”, disse Michael Flanagan, sub-chefe da Patrulha de Fronteira dos EUA, Setor Miami.

O barco estava trazendo imigrantes das Bahamas para a Flórida quando agentes da fronteira atiraram e abordaram a embarcação, segundo os documentos.

Todos que estavam a bordo de um barco monomotor, incluindo um agente da Proteção da Fronteira e Patrulha dos EUA que subiu no barco para prender o capitão, foram lançados nas águas do Oceano Atlântico por volta da 1:20 am do dia 5 de junho, segundo os dois processos criminais que estão na corte federal de West Palm Beach.

O agente da Patrulha da Fronteira dos EUA Frank M. Miller informou que o agente da patrulha que caiu na água estava bem equipado para lidar com a situação.

“Se você pensar bem, há um agente da lei na água com alguém que ele está tentando prender”, comentou Miller, agente encarregado do posto da Patrulha da Fronteira dos EUA no posto de West Palm Beach. “É uma situação bem perigosa.”

Miller disse que o agente também estava preocupado em ajudar as pessoas que não podiam nadar. “Poderia ter sido pior, mas estes agentes são bem treinados; eles são profissionais”, admitiu.

Quatro dos ocupantes do barco foram tratados no St. Mary’s Hospital em West Palm Beach. Os 10 remanescentes foram interrogados pelos agentes da Patrulha da Fronteira dos EUA do posto de West Palm Beach.

Seis pessoas, incluindo o capitão do barco, Elvis Cooper, 47, estão enfrentando acusações ou sendo mantidos como testemunhas materiais.

Cooper, nascido nas Bahamas, saiu de West End na ilha Grand Bahama, de acordo com os processos, preenchidos por um agente especial de Investigações do Departamento de Segurança Doméstica. Ele enfrentará um julgamento federal pelo contrabando de estrangeiros com o propósito de ganhos financeiros.

Dois brasileiros foram mantidos como testemunhas materiais, enquanto dois bahamenses e um jamaicano foram acusados de tentativa de reentrar ilegalmente no país depois de terem sido removidos.

Cooper disse que um homem conhecido apenas como ‘Shaba’ lhe ofereceu $2,000 de adiantamento e $1,000 por cabeça para fazer a viagem.

A aventura deu errada depois da meia-noite de 5 de junho, quando uma aeronave da Guarda Costeira dos EUA notou um pequeno barco com as luzes apagadas a cerca de 43 milhas náuticas a leste da entrada de Lake Worth.

Dois barcos da Proteção da Fronteira seguiram a embarcação quando ela entrou em território americano, a 12 milhas náuticas da costa, e mandou o capitão parar. Como ele não obedeceu à ordem, iniciou-se a perseguição. Os agentes disseram ter visto apenas Cooper operando o barco.

Os agentes dispararam dois tiros de alerta e três cartuchos no motor do barco, inutilizando-o. Quando um agente subiu no barco para prender Cooper, a embarcação virou com o peso da mudança de lugar dos passageiros, segundo Elee Erice, porta-voz da Proteção da Fronteira e Alfândega.

“Acho que é importante notar que geralmente os contrabandistas desrespeitam totalmente a segurança dos imigrantes”, enfatizou Eddie Thompson, agente especial assistente responsável pelas Investigações do Departamento de Segurança Doméstica em West Palm Beach. Ele citou um caso em maio de 2009 no qual 10 haitianos morreram numa tentativa similar.

Thompson afirmou que não comentaria os detalhes sobre o caso de 5 de junho, inclusive os status dos imigrantes que não estavam enfrentando acusações ou sendo mantidos como testemunhas.

Tanto Thompson como Miller disseram te percebido um crescente aumento de tentativas de tráfico humano envolvendo barcos vindo das Bahamas para o condado de Palm Beach nos últimos cinco anos.