Brasil começa seleção para inscrever longa no Oscar 2009

0
592

Cinema nacional jamais foi premiado na categoria Melhor Filme Estrangeiro

O Ministério da Cultura informou que já estão abertas as inscrições para a seleção de filmes de longa-metragem aptos a concorrer na 81ª cerimônia do Oscar o prêmio na categoria Melhor Filme Estrangeiro. Dentre os inscritos, a Secretaria do Audiovisual (SAv/MinC) vai apontar o representante brasileiro que disputará com candidatos de mais de 90 países a indicação dos organizadores da Academy of Motion Pictures Arts and Sciences para a maior premiação do cinema mundial. Somente cinco filmes estarão na lista final.

O escolhido pelo ministério será conhecido em 16 de setembro e a lista dos indicados ao Oscar 2009 ficará pronta em janeiro de 2009, dois meses antes da grande festa de Hollywood, marcada para março. Para participar da seleção, a produção precisa ter sido lançada no país entre 1º de outubro de 2007 e 30 de setembro de 2008. Além disso, o filme deve ter sido exibidos por sete dias consecutivos em salas comerciais e realizados em 35mm, 70mm ou em formato digital de exibição comercial.

O Brasil jamais ganhou o prêmio de Melhor Filme Estrangeiro. Na verdade, a Academia tem ignorado as indicações do governo brasileiro nos últimos anos: “O Ano em que Meus Pais Saíram de Férias” (Cao Hamburguer),”Cinema, Aspirinas e Urubus” (Marcelo Gomes) e “2 Filhos de Francisco” (Breno Silveira), sequer chegaram a entrar na lista dos concorrentes à estatueta dourada em, respectivamente, 2008, 2007 e 2006.

Em 1999, “Central do Brasil” foi indicado para duas categorias do Oscar (melhor filme estrangeiro e melhor atriz), mas perdeu, respectivamente, para “A Vida É Bela”, do italiano Roberto Benigni, enquanto Fernanda Montenegro viu Gwyneth Paltrow (“Shakespeare Apaixonado”) levar a estatueta. Em 2004, “Cidade de Deus” recebeu quatro indicações — direção (Fernando Meirelles), montagem (Daniel Rezende), roteiro adaptado (Bráulio Mantovani) e fotografia (César Charlone). Mais uma vez, o país não trouxe nada.

Em 2005, “Diários de Motocicleta”, do diretor Walter Salles, concorreu ao Oscar de melhor roteiro adaptado e melhor canção (pela música “El Otro Lado del Río”, do cantor uruguaio Jorge Drexler) – e só venceu nessa última categoria. Por envolver equipes de outros países, o filme, que é falado em espanhol, não disputou a categoria “melhor filme estrangeiro”. Quem sabe este ano não poderemos ter uma boa surpresa ao ver uma produção nacional na maior festa do cinema mundial?