Brasil espera quebrar recorde de medalhas em Pequim

0
563

A pouco mais de 40 dias da abertura das Olimpíadas, ministro dos Esportes está otimista com participação brasileira

O ministro dos Esportes, Orlando Silva, não esconde o otimismo ao falar sobre a participação do Brasil nas Olimpíadas de Pequim, que começa no próximo dia 8 de agosto. A equipe brasileira já conta com número recorde de atletas classificados (235), mas outros ainda podem figurar na lista. “Não gosto de falar sobre quantidade de medalhas, mas certamente veremos melhoria nos resultados”, afirmou o ministro.

Ele acredita que os recursos oriundos da Lei Agnelo Piva e do Bolsa-Atleta, exemplos dos investimentos realizados em várias modalidades, permitem imaginar um recorde nas conquistas de pódios: o Brasil conquistou 15 medalhas em Atlanta (EUA, 1996) e cinco de ouro em Atenas (Grécia, 2004). Para o ministro, os atletas receberam excelentes condições de treinamento e puderam participar em competições internacionais importantes.

Apesar de não querer emitir qualquer prognóstico, Orlando Silva não deixou de revelar os esportes em que deposita as maiores esperanças: para ele, as maiores chances de medalha estão no atletismo, judô, natação, vela, taekwondo e ginástica artística. Nos esportes coletivos, na opinião dele, há excelentes perspectivas para as equipes masculina e feminina do vôlei (inclusive de praia) e futebol.
Mas o ministro também está empolgado com os investimentos que serão realizados para a Copa 2014 no Brasil e para fortalecer ainda mais a candidatura do Rio de Janeiro como provável sede dos Jogos Olímpicos de 2016. “A Copa será novamente realizada no Brasil depois de 64 anos e isso vai exigir investimentos em segurança, saúde e infra-estrutura”, disse. Na lista de obras constam construção de estradas, portos e aeroportos, melhorias no transporte urbano e qualificação de serviços no setor de hotelaria. Segundo o Ministério, essas iniciativas vão contribuir para o desenvolvimento do País e se tornarão um legado, após a competição.

Na disputa para sediar os Jogos Olímpicos de 2016, o Rio de Janeiro concorre com as cidades de Madri, Chicago e Tóquio. O anúncio final será feito no dia 2 de outubro de 2009, na Dinamarca. Para financiar a candidatura brasileira, o governo federal vai investir recursos da ordem de 80 milhões de reais, que serão repassados ao Comitê Olímpico Brasileiro (COB), responsável pela promoção da candidatura. Se o Rio for confirmado como sede dos Jogos, outros recursos serão investidos para a reforma de instalações e construção de novas unidades.