Histórico

Brasileira que esqueceu o filho no carro é acusada de homicídio culposo

Ediorial de jornal defende penas mais duras contra pais distraídos, mas é contrário à prisão de bons cidadãos por terem cometido um grave deslize

Nellier Lima, 26, de São Gonçalo, viveu o pior dia de sua vida. Ela esqueceu o fiilho Harold, de apenas 21 meses, no banco traseiro de sua pick up Ford F-150, depois de ter deixado Jessica, sua filha de 6 anos de idade, na Port Salerno Elementary School, em Stuart, por volta das 8 horas da manhã, no último dia 9 de agosto.

Normalmente, ela deixava Harold no day care enquanto trabalhava na limpeza de casas durante o dia, mas, na quinta-feira, ela não percebeu que o menino ainda estava no carro até ter parado na loja Dollar General, no Cedar Pointe Plaza, e ficou deseperada quando foi colocar sua compras no banco de trás. Jami Hall, que trabalha na loja, ligou para o 911 depois de Nellier Lima sair correndo e chorando ao ver que seu bebê não estava mais respirando. Os paramédicos do condado de Martin County ainda instruíram Jami como fazer para reanimar a criança, mas o menino não reagiu

Um meteoroligsta da Califórnia, que fez uma extensa pesquisa sobre o assunto, concluiu que Harold morreu 15 minutos depois de ter sido deixado só na pick up, no calor de 90 graus Farenheit que atingiu Stuart naquele dia. A temperatura no veículo chegou a mais de 109 graus por 10 minutos, disse. “Quando a temperatura do corpo alcança 104, há um choque térmico. Aos 107 graus, os órgãos começam a falecer”, afirmou Jan Null.

A secretária assistente de Justiça da Flórida, Nita Denton, disse em seu escritório que reverá os fatos antes de apresentar denúncia criminal contra a mãe, mas depois confirmou que Nellier Lima será indiciada por homicídio culposo. “Acho que isto é difícil para todos, porque um bebê ‘completamente indefeso”, analisou.

Negligência, mas não crime – Sobre este caso, o jornal The Palm Beach Post escreveu em seu editorial ser favorável à punição da mãe, por causa de sua negligência, mas manifestou-se contrariamente à prisão. Relembrando a tragédia ocorrida na última quinta-feira, quando Nellier Lima esqueceu seu bebê no banco traseiro e e ele cozinhou até morrer pelo extremo calor, o editorial fala sobre outros casos, como o do dentista Dennis Sierra, de Boca Raton, que perdeu seu filho de três anos nas mesmas condições, e do limpador de carpetes. Edward Hynes, do condado de Citrus, que viveu drama semelhante com a perda de sua filha Mackenzee, de apenas três meses.

O editorial considera um absurdo os pais esquecerem crianças pequenas nos bancos traseiros dos automóveis, o editorial é favorável a penas mais duras, mas que não levem a aprisionamento destes pais. Sierra foi condenado somente a prisão domiciliar e serviço comunitário em vez de uma pena de 30 anos por homicídio agravado contra uma criança. Hynes sequer foi julgado. Portanto, não faz sentido condenar Nellier Lima, na visão do editorialista.

Normalmente, amigos descrevem estes pais distraídos como devotados a seus filhos. No caso de Sierra, o juiz ordenou que ele tomasse classe de bons pais. Esta “punição” faz muito mais sentido quando age sobre eles mesmos, mas é o que ocorrre quando o sistema judiciário pega casos sem sentidos como estes, encerra o editorialista.

Baixe nosso aplicativo