Brasileiro ‘globetrotter’ fica famoso como designer óptico

0
715

Edward Beiner construiu uma rede de ópticas na Flórida que vende coleções próprias

Antonio Tozzi

Edward BeinerSe você gostou dos óculos usados por Dwayne Wade ou de seu companheiro LeBron James, anote. Eles foram criados por um brasileiro. As mulheres também podem procuram pelos óculos incríveis feitos por Edward Beiner, iguais àqueles usados por Heidi Klum, Gloria Estefan e Alicia Keys. E os óculos usados nas séries de TV Glee e Burn Notice levam sua assinatura.

Edward Beiner na verdade, chama-se Eduardo, mas aqui virou Edward “nasceu em Santos, litoral paulista, mas é o que se pode chamar de uma pessoa internacional. Ele viveu no Canadá onde fez o curso de profissional em óptica, mas deixou Toronto por causa do frio. Não aguentei o clima e decidi ir para um lugar mais quente”, comentou o esteta óptico.

E mudou mesmo de clima, trocando a fria toronto pela caliente San Juan em Porto rico, onde trabalhou para uma grande companhia americana de óculos. Seus olhos e seu coração, no entanto, estavam postos em Miami, cidade onde mora há 32 anos. “Aí, pedi a transferência para Miami, já com a intenção de abrir meu próprio negócio”, confessou Beiner.

Assim surgiu há 30 anos a primeira loja da Edward Beiner Purveyor of Fine Eyewear, em South Miami. Uma óptica especializada em óculos finos que logo conquistou uma clientela de primeira linha. A segunda unidade foi aberta em Coconut Grove, no badalado shopping Coco Walk.

O sucesso no varejo impulsionou Beiner a pensar alto. Por que não criar ele mesmo uma linha própria uma vez que já possuía um excelente know how nesta área? Assim nasceu a primeira coleção criada por Edward Beiner. A mais recente coleção da Edward Beiner Purveyor of Fine Eyewear é a Primavera Verão 2012.

Para elaborar produtos diferentes, Beiner não economiza em qualidade. Ele tem uma equipe de designers, inclusive um que vive na Itália e desenvolve produtos exclusivos para a Edward Beiner Purveyor of Fine Eyewear. Aliás, seu conceito segue a linha europeia, por ter sentido que os Estados Unidos não possuíam óculos sofisticados, a não ser em poucas lojas de Nova York, Newport e Aspen Para se diferenciar, Beiner somente trabalha com produtos de alta qualidade, e sua fábrica está localizada na França.

Rede ampliada

A terceira loja aberta foi em South Beach, bem ao lado da butique de Gianni Versace. Hoje, são dez lojas Edward Beiner Purveyor of Fine Eyewear na Flórida, todas localizadas em áreas de luxo como Aventura, Boca Raton, Coral Gables, Mary Brickell Village, Naples, Orlando, Palm Beach Gardens, e na exclusivísima Worth Avenue, além das três primeiras. A próxima unidade deverá ser inaugurada no Dadeland Mall no próximo ano.

A vantagem do empresário foi ter a sensibilidade de apostar em Miami como um local gerador de tendências. Percebi que Miami tornou-se ponto de turismo dos europeus e depois dos latino-americanos. E eles valorizam produtos finos. A partir de 96 e 97, começou a invasão dos brasileiros, que hoje formam uma boa parte da minha clientela, comentou Beiner. As lojas da Brickell e de Orlando são muito procuradas pelos brasileiros.

O processo de criação de um óculos demora de seis meses a um ano, segundo o designer. Ele se baseia em três itens fundamentais: qualidade dos produtos, formas e cores. As cores são muito importantes e os produtos precisam levar em conta as formas dos rostos humanos que são quatro: oval (a mais perfeita), redonda, quadrada e triangular. A partir daí criamos os conceitos dos óculos, revelou o brasileiro.

Atualmente, ele está considerando expandir sua rede de lojas para outros estados americanos como Texas e Califórnia, bem como abrir algumas filiais no Brasil. O que ainda não está definido é como será feito este processo. Pode ser com a admissão de um sócio que injete capital na empresa ou através de franquias.

Ainda dentro do plano de diversificação empresarial, Beiner está pensando em iniciar a venda dos seus produtos online. Quando fizermos os óculos para o Dwayne Wade tivemos uma quantidade enorme de clientes e pedidos de vários locais. Por isto, analisamos a possibilidade de vendas por Internet, revelou o empresário.

Uma coisa é inegociável, de acordo com Beiner: “Nunca vamos baixar a qualidade”. Entretanto, ele também desmistifica o fato de ser uma loja somente para pessoas de alto poder aquisitivo. “Temos produtos bons que não são tão caros, como é o caso do Ray Ban”, finalizou o dono da Edward Beiner Purveyor of Fine Eyewear.