Brasileiro procurado pela polícia no Brasil é deportado dos EUA

0
895

Morador de Bridgeport, ele era procurado por estar envolvido no assassinato de um prefeito de uma cidade mineira

Um brasileiro que estava vivendo em Bridgeport, Connecticut, e era procurado no Brasil por seu envolvimento em um duplo homicídio foi entregue às autoridades policiais brasileiras na manhã desta quinta-feira(22) no Rio de Janeiro. Ele foi deportado dos Estados Unidos por agentes do ICE, divisão policial do serviço de Imigração dos EUA, e do ERO, divisão responsável pelas operações de detenção e remoção de estrangeiros. O indivíduo foi originalmente identificado depois de o ERO ter recebido uma dica do Departamento de Polícia de Bridgeport.

Isaías Gonçalves dos Santos, de 31 anos, foi preso por agentes do ERO em Bridgeport, em 31 de janeiro de 2012 e permaneceu sob custódia do ERO até a data de sua remoção.

O Departamento de Polícia de Bridgeport notificou o ERO sobre a suspeita de que dos Santos, que tinha um Alerta da Interpol emitido para sua prisão, estivesse residindo em Bridgeport. De acordo com o Alerta da Interpol, dos Santos alegadamente foi o autor de um plano que executou o prefeito de São Sebastião do Maranhão, em Minas Gerais. O prefeito Gildeci Sampaio Gomes e um amigo foram assassinados na cozinha da casa do prefeito em 13 de outubro de 2009. A Interpol e um membro do Departamento de Segurança Internacional em Brasília (HSI) confirmaram os detalhes biográficos e os identificadores fotográficos faciais com as autoridades brasileiras, ratificando ser mesmo dos Santos a pessoa procurada pelas autoridades policiais de Minas Gerais.

Um Alerta da Interpol é usado para avisar os órgãos de combate ao crime nos países membros cujos mandados de prisão foram expedidos e a extradição é emitida para os fugitivos. Ser objeto deste tipo de notificação não significa uma confissão de culpa. A Interpol é a maior organização policial internacional do mundo com 190 países membros. A entidade atua como um facilitador de cooperação entre as polícias internacionais.

“Graças à nossa excelente parceria com o Departamento de Polícia de Bridgeport, asseguramos que este indivíduo será julgado pelos crimes que alegadamente cometeu no Brasil”, disse Dorothy Herrera-Niles, diretora de campo do ERO na região de Boston. Herrera-Niles supervisiona o ERO em toda a região da Nova Inglaterra. “Sua prisão e remoção deve servir como um lembrete para os fugitivos estrangeiros que inadvertidamente acreditam poder escapar da justiça ao fugir para este país. O ICE continuará a trabalhar em sintonia com seus parceiros estrangeiros de repressão ao crime não só para assegurar que os criminosos respondam por seus atos como também para salvaguardar os direitos dos cidadãos de bens daqui e do exterior.”

Desde 1º de outubro de 2009, o ERO removeu mais de 335 fugitivos estrangeiros dos Estados Unidos que eram procurados em seus países nativos por crimes sérios, tais como sequestros, estupros e assassinatos. O ERO trabalha em conjunto com o Gabinete de Assuntos Internacionais do HSI, divisões consular estrangeiras nos Estados Unidos, e com a Interpol para identificar fugitivos estrangeiros que estejam vivendo ilegalmente no país.