Brasileiros continuam fortes no mercado imobiliário em Miami

0
745

ONE Sotheby’s International Realty está aumentando seu faturamento neste verão com nossos patrícios

Antonio Tozzi

Aproveitando o fluxo dos brasileiros, o ONE Sotheby’s International Realty está promovendo o mercado imobiliário do sul da Flórida e dando seminários educativos para potenciais compradores e agentes imobiliários nos últimos meses. Daniel De La Vega, sócio gerente da ONE Sotheby’s, viajou quatro vezes para o Brazil recentemente, educando o mercado brasileiro juntamente com uma equipe formada por especialistas legais e financeiros para explicar as estruturas das transações imobiliárias nos EUA.

A empresa realizou uma série de reuniões durante todo o mês de julho no sul da Flórida e está trabalhando com afiliados brasileiros em São Paulo para assegurar que seus clients sejam bem tratados assim que desembarcam em Miami. Além disto, o escritório imobiliário instalou um quiosque no Aventura Mall onde está mostrando o Bellini Williams Island, um empreendimento imobiliário de 24 andares e 70 unidades residenciais do renomado construtor do sul da Flórida, Martin Margulies, localizado em Williams Island, no coração da comunidade privativa em Aventura.

MiamiPara entender melhor como está o mercado imobiliário no sul da Flórida com a participação dos estrangeiros, sobretudo dos brasileiros, o AcheiUSA entrevistou Daniel de la Vega, sócio gerente da ONE Sotheby’s International Realty

AcheiUSA – Você poderia dizer se o sul da Flórida está recuperando-se dos problemas com imóveis que castigaram a região recentemente? Quem são as pessoas que estão ajudando o mercado a se recuperar? Os investidores estrangeiros?
Daniel de la Vega – Sim, especificamente por causa do fluxo de capital das pessoas vindas da América do Sul e da Europa. As taxas de absorção no sul da Flórida (particularmente nossos mercados de condomínio em Brickell /Downtown e Sunny Isles), onde havia um excesso de inventário localizado, foram reduzidas, graças ao sul- americanos e europeus. A situação nestes países estrangeiros empurrou os compradores a investir o capital em outros lugares. Como Miami é o hub perfeito entre Europa, América do Sul e EUA, muitos sul-americanos e europeus encontraram um porto seguro em Miami para investir. Por causa da rápida absorção do excesso de inventário de Miami, os empreendedores decidiram começar novamente a construir. Os desenvolvedores têm sido bem sucedidos na venda de seus desenvolvimentos, aos preços de pré-construção, para os compradores que perderam a primeria onda, mas ainda têm interesse pessoal ou empresarial para investir em Miami.

AU – Comprar uma casa ou apartamento no sul da Flórida é um bom investimento se o comprador não vive aqui? Por que?
DV – Sim, especialmente no mercado atual. Os preços estão de volta aonde estavam em 2002 em vários mercados. Muitas pessoas, tanto investidores como proprietários, tiveram grandes retornos de seus investimentos de 2002 a 2007. Sem falar que o mercado terá um salto no valor das propriedades (acho que todos no setor esperam que não), mas com os números de hoje posso afirmar que haverá uma boa valorização do investimento nos anos vindouros.

AU – Sua companhia é responsável pela administração das propriedades dos donos? Qual a taxa de porcentagem cobrada pelos corretores?
DV – Quando administramos propriedades para nossos investidores, cobramos 4% de taxa de gerenciamento.

AU – Quantos brasileiros compraram propriedades com a ONE Sotheby’s International Realty?
DV – Em 2011, 10% de nossos negócios foram feitos com brasileiros que compraram no sul da Flórida. Fizemos mais de $1 bilhão em vendas; portanto, cerca de $100 milhões vieram dos brasileiros.

AU – Quais são as cidades preferidas dos compradores estrangeiros?
DV – Miami, New York, Los Angeles, San Francisco e Dallas

AU – Os compradores americanos estão voltando ao mercado imobiliário?
DV – Com certeza! Com as taxas de juro mais baixas dos últimos tempos, o comprador americano vê que é uma boa hora para comprar. Tanto as taxas de juros como o mercado em baixa têm atraído muitas compradores para adquirir propriedades.

AU – Os novos desenvolvimentos competem com as ofertas de foreclosures disponíveis no mercado?
DV – Não. Isto somente vale para um comprador local, mas para um investidor estrangeiro comprar um imóvel em foreclosure é uma grande dor de cabeça. Os novos desenvolvimentos estão com preços acessíveis, e estão em alta; não vale a pena se envolver com a dor de cabeça do foreclosure.

AU – Os compradores precisam comprar uma propriedade à vista ou a ONE Sotheby’s International Realty tem algum plano de pagamento disponível para os compradores?
DV – Não a ONE Sotheby’s International Realty especificamente, mas trabalhamos em parceira com um banco local chamado Gibraltar Private. Nosso principal contato no banco, Ricardo Garbati, sabe como como administrar muito bem estas operações, sempre visando o melhor interesse dos investidores estrangeiros e dos compradores locais.