Câmara de Deputados rechaça Deferred Action

0
827

Apesar da votação, para se converter em lei a medida republicana deve ser aprovada pelo Senado, controlado pelos democratas

Steve King
Deputado republicano Steve King

A Câmara de Deputados, controlada pelos republicanos, rechaçou nesta quinta-feira (6) a política do presidente Barack Obama de suspender a deportação de milhares de imigrantes que chegaram aos Estados Unidos sem permissão quando eram crianças e são conhecidos como dreamers.

Por 224 votos a favor e 201 contra, a Câmara aprovou uma emenda do deputado republicano Steve King para bloquear a medida administrativa em vigor desde 15 de agosto do ano passado.

A Deferred Action suspende as ordens de deportação de jovens indocumentados que entraram quando crianças nos Estados Unidos e lhes concede um permissão temporária de trabalho.

A emenda de King foi incluída como emenda dentro de um projeto de gastos do Departamento de Segurança Nacional (DHS).
O que a Câmara rechaçou foram todas aquelas ordens determinadas por Obama e que incentivam os agentes da lei responsáveis pelas deportações de imigrantes concentrar-se naqueles indocumentados que tenhm sido condenados por crimes, o que inclui a chamada Deferred Action para os dreamers.

Após a aprovação da emenda King, a Casa Branca respondeu que “enquanto o Senado se prepara para debater uma reforma imigratória sensata…os republicanos da Câmara aprovaram uma emenda extremista para privar de proteção os ‘dreamers’. Esta emenda é contrária aos nossos mais profundos valores como americanos”.

Os dreamers são membros produtivos de nossa sociedade e foram trazidos a este país como crianças e criados em nossas comunidades e são americanos em todos os sentidos apesar de não ter os documentos, acrescenta o comunicado.

“Esta emenda, patrocinada pelo deputado Steve King pede aos agentes de cumprimento da ordem que tratem os dreamers da mesma maneira como tratariam os criminosos violentos. Isto está errado. E não reflete quem somos. E não se tornará lei”, alerta o comunicado.

Pouco antes, a diretora de política interna da Casa Branca, Cecilia Muñoz, qualificou a medida como “uma mensagem muito interessante para a comunidade latina porque tenta anular a suspensão das deportações para os dreamers, que estão entre os grupos mais importantes deste debate”.

A Deferred Action

A Deferred Action favorece indocumentados menores de 31 anos de idade que se tenham formado na escola secundária ou estejam estudando, ou que sirvam ou tenham servido nas Forças Armadas.

Os requisitos assinalam que aqueles que possuem antecedentes criminais não se qualificam para o amparo imigratório.
A emenda foi apresentada pelo parlamentar republicano Steve King (Iowa).

King disse que qualquer alteração nas políticas americanas deveria ser implantada pelo Congresso, não orquestada pelo mandatário. “Sem se importar com o que as pessoas pensam sobre a política de imigração iminente aqui nos Estados Unidos, não podemos permitir que o poder executivo usurpe a autoridade legislativa do Congresso”, afirmou. “Se permitirmos que isto ocorra na imigração, pode ocorrer com qualquer coisa”.

“Não devemos responsabilizar as crianças pelas ações dos adultos e de seus pais. Devemos dar-lhes uma oportunidade”, protestou o deputado democrata Luis Gutiérrez (Illinois).

A Deferred Action favorece cerca de 1.7 milhão de imigrantes indocumentados.

No caso de ser aprovada a reforma imigratória no Congresso, os dreamers chegarão à residência em menos tempo do que a média dos indocumentados, assim como à cidadania americana.