Carioca está entre os ecologistas latinos mais influentes dos EUA

0
646

Luiz Rodrigues, do ECOMB, foi premiado pela revista Poder por seu trabalho de sustentabilidade em Miami Beach

Luiz RodriguesTodo mundo diz que um bom profissional é aquele que consegue trabalhar com aquilo que gosta. Um bom exemplo disso é Luiz Rodrigues, o carioca que foi para a Califórnia para estudar Ecologia e acabou tornando-se diretor executivo da ECOMB, a principal organização não governamental de Miami Beach, que surgiu em 1994 para cuidar da preservação das praias da cidade.

A entidade, no entanto, começou a mudar a partir de 2001, quando Rodrigues assumiu a diretoria executiva. “Na Califórnia, onde estudei Ecologia, fiz muitos trabalhos voluntários com crianças na área costeira, como conservação das pisicnas de marés. Percebi, então, que gostava mais do contato com o ser humano, com o trabalho em campo do que com a pesquisa de laboratório”, explicou o brasileiro.

E sua paixão explodiu mesmo quando se mudou para Miami Beach em 2000. Logo, alistou-se como voluntário da entidade que, na época, foi fundada por três moradores com o objetivo de limpar as praias da cidade e com outro nome. No entanto, quando Rodrigues assumiu o cargo notou que a limpeza de praias era algo bastante restrito. E o nome foi mudado duas vezes até ser definido como Ecomb, que possui um conceito mais amplo de sustentabilidade do meio ambiente, conscientização e educação das pessoas.

Diante dessa visão vanguardista, a entidade cresceu e vem destacando-se na comunidade, a ponto de despertar a atenção de algumas pessoas que indicaram Luiz Rodrigues para integrar o seleto grupo dos 100 mais importantes latinos dos Estados Unidos, concedido pela revista Poder, em sua edição de abril/maio de 2013. Nesta lista, figuram nomes de destaque do mundo político, empresarial e artístico.
“Não sei como foi o processo de seleção nem quem escolheu os nomes, mas o prêmio representa um reconhecimento dos esforços do Ecomb na luta pela preservação do meio ambiente”, declarou Luiz Rodrigues.

Quer mais participação de brasileiros

Com esse reconhecimento, o diretor executivo do Ecomb espera obter mais verbas para viabilizar cada vez mais projetos de sustentabilidade. “Estamos bem de voluntários, o nosso principal problema é a parte do financiamento”, admite Rodrigues.

E há várias formas de se obter verbas. Uma delas é redigir projetos para se qualificar como receptora de verbas destinadas por governos e fundações. Isso está sendo feito pelo Ecomb, que recebeu recentemente $ 25,000 da prefeitura de Miami Beach por causa de seu trabalho preservacionista.
A entidade vem usando a criatividade para arrecadar fundos. “Criamos pacotes de patrocínios corporativos para obter aopio das empresas, porque somos reconhecidos por nosso trabalho em defesa do meio ambiente”, argumenta Rodrigues. Há, ainda, o projeto 1% for the Beach que incentiva os comerciantes locais a doarem 1% de suas receitas, semanais ou mensais, ao Ecomb para incentivar ainda mais a entidade a viabilizar seus programas.”Temos ainda o programa de compartilhamento de bicicletas, e tudo isto reverte-se em benefício dos comerciantes. Afinal, o turista fica admirado em ver uma cidade e suas praias bem cuidadas e tem prazer em voltar para cá”, analisa o ecologista.

Outra alternativa é o patrocínio de cestas de lixo colocadas na orla da praia. Cerca de 200 designers cederam seus desenhos para que sejam usados nas cestas de lixo em troca do patrocínio ao Ecomb.”Oferecemos a opção de decorar a cesta de maneira personalizada e colocar o logotipo da empresa”.

Animado com a visibilidade na grande mídia brasileira ele foi tema na Globo, Band, site IG, e Valor Econômico, além de revistas de Niterói “, Rodrigues conclama as empresas brasileiras radicadas no sul da Flórida a participarem dos esforços empreendidos pelo Ecomb, dirigido por um brasileiro numa cidade do Primeiro Mundo.

E a fama de Luis Rodrigues rompeu fronteiras. Além de ter sido procurado por representantes de Coconut Grove, Key Biscayne e Hollywood (FL) para desenvolver programas similares nestes locais, ele intensificou contatos com grupos de São Paulo, Belém e Rio de Janeiro para desenvolver projetos no Brasil. “Houve até mesmo interesse em minha volta. Mas, no momento, meu foco é fortlaecer os alicerces do Ecomb”, garante.

E tem ainda mais um motivo para isto. Recentemente, a cidade de Miami Beach doou um prédio na Second Street para ser a sede do Ecomb. Mais do que uma sede, o local está transformando-se num centro de sustentabilidade, com o uso de energia solar, captação de energia eólica, centro de reciclagem de lixo eletrônico, jardim orgânico, compostagem e outras atividades que incentivam a preservação ambiental. “Este local é importante porque é também um centro educacional, onde damos aulas aos cidadãos e os ensinamos como usar de maneira prática as técnicas de sustentabilidade”, finaliza Luis Rodrigues.