CRM absolve médicos condenados por venda de órgãos

0
611

da redação com uol – Os médicos Cláudio Rogério Carneiro Fernandes e Celso Roberto Frasson Scafi foram absolvidos no processo administrativo do Conselho Regional de Medicina de Minas Gerais (CRM-MG). Eles eram acusados de tráfego de órgão humanos no caso da morte do garoto Paulo Pavesi, de 10 anos. Os mesmos médicos foram condenados e presos na semana passada pelo envolvimento no caso Pavesi. O menino caiu do prédio onde morava, em abril de 2000.

A família acusa os dois de retirarem os órgãos do garoto ainda vivo. Outros quatro médicos também foram absolvidos no mesmo processo. Segundo a Justiça, os órgãos do menino foram vendidos em uma situação de tráfico em Minas Gerais.

A absolvição foi unânime entre os 42 conselheiros do CRM-MG. A Justiça, junto com a condenação, pediu a cassação do registro profissional dos médicos, para que eles não pudessem exercer a profissão. Com a decisão do CRM, no entanto, todos seguem aptos a exercer a medicina.

Além dos condenados Fernandes e Scafi, foram absolvidos pelo CRM os médicos Félix Herman Gamarra Alcantara; Alexandre Crispino Zincone; Gérsio Zincone e João Alberto Goes Brandão. Os dois primeiros médicos foram condenados pela morte de Pavesi e também pela morte e retirada de órgãos para venda do pedreiro José Domingos de Carvalho. Os outros foram condenados pela morte do pedreiro somente.

Segundo o CRM ficou claro que os profissionais citados não infringiram o código de ética.