CVS despeja comerciante brasileiro em Miami

0
544

Loja vende produtos naturais e dono brasileiro orgulha-se de atender a segunda geração de clientes

Joselina Reis

Gabriel Schicchi já avisou a clientela que a loja continua, em novo endereço
Gabriel Schicchi já avisou a clientela que a loja continua, em novo endereço

Depois de tantos anos atendendo na mesmo local, 23 anos, o comerciante brasileiro Gabriel Schicchi, de 55 anos, nunca pensou que deixaria sua clientela. Ele orgulha-se em dizer que atende a segunda geração de clientes que preferem a comida natural e feita na hora do que os gordurosos fast food americanos. No entanto, a briga comercial entre as duas gigantes no ramo de farmácias, a CVS e a Walgreens, tirou o brasileiro do seu lugar de tantos anos. “Clientes estão surpresos e nós mais ainda”, conta Gabriel que deixou o Brasil em 1990 para encontrar em Miami um novo estilo de vida.

Adepto da boa alimentação e de produtos menos industrializados, Gabriel abriu sua loja em Miami (Beehive Natural Foods and Beehive Juice Bar -5750 SW 40 Street, South Miami) em 1990 e por dia atende pelo menos 100 pessoas.”Tem cliente que vem aqui desde quando era criança e hoje traz os filhos. Somos uma família”, revela o comerciante.

O prédio onde Beehive abriu suas portas há 23 anos foi comprado pela CVS que planeja fazer competição acirrada contra a Walgreens localizada do outro lado da rua. A nova administração do prédio, que também inclui outros doze pequenos comerciantes, todos com mais de vinte anos no mesmo local, deu prazo de um ano para que todos saíssem. O prazo termina em quatro meses e Gabriel ainda não sabe onde vai levar sua loja, mas, segundo ele, os clientes já avisaram: “Vamos junto com você”.

Gabriel lembra que foi durante os anos morando na Europa, onde trabalhou com produtos naturais, que ficou sabendo da importância da alimentação saudável e resolveu abrir sua própria loja. Quando veio para Miami e consegui alugar o espaço próximo à Universidade de Miami resolveu investir no negócio que atualmente tem inspirado outros comerciantes na região. “Aqui os outros dizem que fui o pioneiro no ramo. Fico muito triste em sair, mas vou dar continuidade à loja, só não sei onde”, disse.