DOLPHINS CORNER: O adeus de Jason Taylor

0
510

O adeus de Jason Taylor Ele sabia quando chegou ao vestiário, sabia quando se aproximou do meio-campo para tirar o toss, sabia no momento em que fez o primeiro tackle, sabia quando viu Dan Marino usando a camisa nº 99 no placar, sabia quando Vernon Carey pediu suas chuteiras no final e sabia quando seus companheiros o levantaram e o carregaram para fora do campo.

Pedi a eles três ou quatro vezes para me colocarem no chão, ele disse depois da vitória de 19 a 17 do Dolphins sobre o New York Jets. Eles não obedeceram.” Seus” olhos se encheram de lágrimas e sua voz ficou mais grossa: “Foi incrível.”

Durante todo o jogo, o dia todo, Taylor sabia que esta seria sua última vez que usaria um uniforme do Dolphins. Isto foi o que ele sempre teve em mente. Foi o que ele disse aos seus filhos no vestiário depois de tudo. Esta é a última vez que faremos isto, destacou.

Poucos grandes jogadores tiveram um final perfeito nos esportes, mas Taylor chegou bem perto. Ele se aposentou na hora certa. Ele se aposentou com seu time do coração. Ele até mesmo se aposentou num dia em que pôde curtir o momento, rindo ao lado do gramado, brincando com os colegas, e tendo dezenas de familiares e amigos ao seu lado na hora da despedida.

Jogar football foi sempre sua arte, e ele se comportou bem no último domingo, quando acabou a temporada do Dolphins. Ele correu em cima do quarterback, New York Jets, Mark Sanchez, para uma intercepção. Ele fez alguns tackles. Ele inclusive returnou um fumble para um touchdown antes de a jogada ter sido invalidada.

O adeus oficial foi a parte mais difícil. Taylor preparou-se para este momento final de maneira que qualquer jogador de football faria: Ele assistiu a um filme. No seu caso, foi um da despedida de seu grande amigo Zach Thomas. Ele não disse 10 palavras sem chorar, Taylor disse à sua esposa, Katina, irmã de Thomas. Eu nunca vou conseguir.

Ele conseguiu falar com sua mãe, com sua esposa, com suas irmãs, suas sobrinhas e sobrinhos e então veio para seu irmão, Noah, um jogador de football da California University of Pennsylvania. Seus olhos começaram a marejar. Sua voz fraquejou.

Por que eu estou chorando, meu mano?, ele perguntou.

A resposta pôde ser dada por ele próprio ao recordar das reminiscências que o transformaram em um dos principais ídolos deste esporte.

Minha única decepção ao deixar este vestiário pela última vez foi não ter ganho um campeonato, relembrou. Ele apenas repetiu o que já haviam dito anteriomente Marino e Zach. O que resta a nós, torcedores, é pedir para o próximo craque a se aposentar lembre-se do título conquistado.