E-Verify: destruidor ou criador de empregos?

0
782

O deputado republicano do Texas, Lamar Smith, quer tornar obrigatório o uso do programa E-Verify

Enquanto o presidente Barack Obama apresenta seu plano de criação de empregos perante o Congresso a fim de aliviar a taxa de desemprego de 9% nos Estados Unidos (que representa mais de 14 milhões de pessoas sem trabalho), Smith impulsiona o projeto E-Verify que, para seus críticos, resultará no fato de que até 770 mil pessoas autorizadas para trabalhar percam seus postos por erros no sistema eletrônico de verificação que se baseia nos bancos de dados da Administração do Seguro Social (SSA) e do Departamento de Segurança Nacional (DHS). Além disto, milhões teriam de ir aos órgãos governamentais para corrigir erros a fim de não perder seus trabalhos. Isto afeta cidadãos e residentes legais.

Segundo o Gabinete de Orçamento do Congresso (CBO), o E-Verify nacional e obrigatório reduziria a receita federal em $17,300 milhões em um período de dez anos porque a verificação obrigatória de elegibilidade de trabalho através do sistema E-Verify resultaria em uma alta no número de trabalhadores indocumentados que seriam pagos fora do sistema tributário.

Mas Smith insiste que seu plano liberará trabalhos para os americanos. Podemos abrir postos de trabalho para milhões de americanos desempregados exigindo que todos os empregadores utilizem o E-Verify. O Congresso deve aprovar este projeto e o presidente promulgá-lo. É um dos melhores projetos de criação de empregos, afirmou Smith.

Seus críticos, no entanto, questionam as reais motivações por trás do plano de Smith, pois choca-se contra a premissa de menores regulamentações e menos burocracia que tanto pregam os republicanos.

Acredita-se que as pequenas empresas gastarão até 2,6 bilhões de dólares anualmente só na implantação do programa. Os pequenos negócios são o principal motor gerador de empregos, mas terão de gastar com regulamentações e não na criação de trabalhos, tudo por causa de um programa que, segundo dados do próprio governo, tem 50% de eficácia na identificação de trabalhadores indocumentados.

Curiosamente, Smith quer conseguir o apoio do setor agrícola para seu projeto E-Verify para outro projeto de lei que pretende trazer até 500,000 trabalhadores estrangeiros anualmente.