Economia do sul da Flórida crescerá mais que economia dos Estados Unidos em 2015

0
2689

Economista afirma que o aumento na oferta de trabalho fará com que mais pessoas imigrem para a Flórida

Economia do sul da Flórida crescerá mais que economia dos Estados Unidos em 2015

DA REDAÇÃO – O crescimento da economia do sul da Flórida em 2015 vai superar o crescimento de toda a economia norte-americana no período, informa uma nova previsão da consultoria PNC Financial Services Group, repercutida pelo jornal Sun Sentinel. A previsão também aponta que o número de postos de trabalho criados também vai superar a média nacional.

O número de vagas de trabalho nos condados de Broward, Palm Beach e Miami-Dade deve crescer 2.8% neste ano, enquanto, em âmbito nacional, deve crescer 2.1%. “Estamos prevendo uma taxa muito sólida de crescimento para este ano”, disse o economista do PNC Mekael Teshome. “Nossas previsões são extremamente otimistas para a região.”

O economista afirma que o aumento na oferta de trabalho fará com que mais pessoas imigrem para a Flórida – que no fim de 2014 se tornou o 3º estado mais populoso dos Estados Unidos. A expectativa de uma imigração massiva para os três condados deverá turbinar o já fortalecido mercado imobiliário, incentivando construções e reduzindo o número de imóveis em processo de foreclosure, informa a pesquisa do PNC.

Os dados ainda apontam que a economia do sul da Flórida é mais forte do que a economia do restante do estado. O número de desempregados nos três condados que compõem a região finalmente chegou a níveis registrados antes da crise econômica iniciada em 2008. Outro fator que aponta a robustez da economia sul-floridiana é a diversidade de sua força de trabalho, que inclui setores como o comércio exterior, permitindo maior crescimento.

Salário continua abaixo da média
Contudo, há espaço para notícias não tão boas no relatório do PNC: de acordo com a consultoria, a média de salários pagos no estado ainda permanecerá inferior à paga na média nacional. Isso se deve ao fato de que ainda há muitas pessoas subempregadas nos três condados, que trabalham menos do que poderiam, diz o economista Teshome. “À longo prazo, o sul da Flórida ainda lutará para reduzir a desigualdade econômica existente na região em comparação com o país, e isso ocorrerá, em grande parte, devido ao setor de serviços da economia local”, aponta o relatório do PNC Mekael Teshome.