Eleito primeiro papa latino-americano da história

0
660

O argentino Jorge Mario Bergoglio, o Francisco I, pede aos católicos fraternidade, amor e evangelização

Eleito primeiro papa latino-americano da história

O anúncio do novo papa feito pelo conclave no Vaticano, na tarde de quarta-feira (13), pegou de surpresa os fiéis já que o nome do arcebispo de Buenos Aires não aparecia nas últimas listas de favoritos, que incluíam o brasileiro Dom Odilo Scherer e o italiano Angelo Scola.

Jorge Mario Bergoglio, de 76 anos, escolheu se chamar papa Francisco I. Em seu primeiro pronunciamento para uma multidão de fiéis na Praça de São Pedro, o novo papa agradeceu ao seu predecessor, o agora Papa Emérito Bento XVI, em um gesto nunca visto pela Igreja Católica: o agradecimento a um antecessor ainda vivo.

Em seu discurso, Francisco I pediu aos cerca de 1,2 milhão de católicos do mundo a “empreender um caminho de fraternidade, de amor” e de “evangelização”. Ele ainda brincou que os colegas cardeais integrantes do conclave foram ” ao fim do mundo escolher o novo papa” .

Nascido em 17 de dezembro de 1936, em Buenos Aires, na Argentina, Jorge Mario Bergoglio formou-se engenheiro químico, mas escolheu posteriormente o sacerdócio, entrando para o seminário em Villa Devoto. Em março de 1958, ingressou no noviciado da Companhia de Jesus (jesuítas). Em 1963, ele estudou humanidades no Chile, retornando posteriormente a Buenos Aires.

Entre 1964 e1965, Bergoglio foi professor de literatura e psicologia no Colégio Imaculada Conceição de Santa Fé e, em 1966, ensinou as mesmas matérias em um colégio de Buenos Aires. De 1967 a 1970, estudou teologia. Em 13 de dezembro de 1969, foi ordenado sacerdote. Bergoglio foi também reitor da Faculdade de Filosofia e Teologia de San Miguel, entre 1980 e 1986. Em 1992, Bergoglio foi nomeado bispo titular de Auca e auxiliar de Buenos Aires. Em 1997, foi nomeado arcebispo titular de Buenos Aires. Foi ordenado cardeal pelo então Papa João Paulo II, no consistório de 21 de fevereiro de 2001.

O conclave, votação secreta que escolhe o novo pontífice, foi convocado após a renúncia de Bento XVI, anunciada em 11 de fevereiro e concretizada em 28 de fevereiro.

Bento XVI saiu alegando que não tinha mais condições de saúde para a tarefa de liderar a igreja.