Escolas querem que os pais pressionem por mais ajuda do estado

0
722

Educadores da Flórida querem melhorar a posição do estado no ranking nacional de educação

Ninguém conhece a força de pais persistentes melhor do que o distrito escolar. Por isto, educadores dos condados da Flórida estão esperançosos em persuadir milhares de pais para ajudá-los a pressionar o estado por mais dinheiro para pagar os crescentes custos da educação.

Um grupo de oito distritos, inclusive os de Palm Beach e St. Lucie, encorajarão residentes locais a pedir a seus legisladores mais dinheiro para as escolas. Afinal, eles determinarão o orçamento durante as reuniões do legislativo estadual que começaram esta semana.

O governador Jeb Bush propôs gastar mais de $18 bilhões com as crianças matriculadas desde o jardim da infância até o último ano de High School. De acordo com o plano do governador, o gasto por estudante aumentaria 5.6%, chegando a $6,804 para o ano escolar 2006-2007.

Mas os educadores dizem que isto não é suficiente. Eles advertem que grande parte deste valor já está comprometido com novas exigências, tais como tirar impressões digitais de trabalhadores de construção que trabalham em obras nas escolas, pagar pela manutenção do prédio e pelo seguro. Assim, pouco sobra para investir na educação, argumentam.

Sem mais dinheiro do estado, St. Lucie será obrigado a cortar orientadores, enfermeiras e outros funcionários das escolas, disse o superintendente escolar Michael Lannon. Ele completa: “A Flórida está num ano de explosão econômica, talvez o maior de sua história e o governador está falando sobre aumento de impostos prediais. Portanto, aumentando a arrecadação”

Os educadorres apontaram uma recente reportagem da revista Education Week, que coloca o gasto com educação por estudante na Flórida em 45º lugar entre os 50 estados do país, com base nos dados do ano letivo 2002-2003. Eles estão pedindo mais dinheiro para subir umas 20 posições no ranking.

Os membros dos distritos escolares contatarão os pais através de um sistema telefônico automatizado para informá-los sobre a padronização dos testes. Eles também usarão e-mail e cartas enviadas para casa por intermédio dos estudantes.