EUA iniciam investigação sobre acidente aéreo em NY

0
759

Autoridades americanas iniciaram nesta quinta-feira trabalhos de investigação para tentar definir as causas do choque de um pequeno avião contra um edifício residencial de 50 andares em Upper East Side, na ilha de Manhattan (Nova York), que matou o astro do beisebol Cory Lidle, 34, dos Yankees, e seu instrutor de vôo.

Até o momento, a polícia não sabe quem estava pilotando a aeronave, mas Lidle tinha brêve. Testemunhas informaram que o piloto perdeu o controle do avião antes de se chocar contra o prédio.

26.set.2006/Efe

Cory Lidle, 34, lançador dos Yankees, que morreu nesta quarta-feira em NY

O passaporte do atleta, que nasceu em 22 de março de 1972, foi encontrado próximo a um corpo carbonizado, que estava dentro de um pedaço da aeronave que caiu na rua após o choque. Lidle tinha brevê de piloto havia um ano.

Há exatamente um mês, os EUA lembraram o pior ataque terrorista contra o país, quando aviões comandados por seqüestradores atingiram o World Trade Center, em Nova York, e o Pentágono, nas cercanias de Washington. O ataque deixou cerca de 3.000 mortos.

Acidente

O avião, um Cirrus SR20, decolou do Estado de Nova Jersey às 14h30 (15h30 de Brasília) desta quarta-feira.

Após a colisão, imagens de TV mostraram janelas em chamas em dois andares do edifício The Belaire, que tem ao menos 50 andares e fica na rua 72, perto do East River. Os Bombeiros controlaram as chamas em 45 minutos.

O avião atingiu o 40º andar do prédio, que fica a cerca de 2,4 km da sede da ONU.

Reuters

Prédio fica em chamas após avião colidir em Nova York; duas pessoas morrem em acidente

A colisão causou um forte barulho. Pedaços de vidro e escombros se espalharam pelas ruas vizinhas. Parte do combustível do avião vazou após o choque, gerando focos de incêndio em ruas próximas ao edifício.

Moradores foram retirados do local, o tráfego interrompido e a região isolada. Não houve registro de caos, apenas acúmulo de pessoas curiosas na região da rua 72.

O edifício, construído na década de 80, possui 183 apartamentos, muitos dos quais vendidos por mais de US$ 1 milhão.

FBI

Logo após o choque do avião, o FBI `polícia federal americana` descartou indicação de ato terrorista, mas aviões militares sobrevoaram regiões dos EUA por precaução. O governo não elevou o alerta de segurança do país e todos os aeroportos continuaram funcionando normalmente.

Acidentes de helicóptero são comuns na ilha de Manhattan. Em junho de 2005, uma aeronave caiu no East River, a poucos quarteirões da sede da ONU, sem deixar feridos.

Três dias antes, um segundo helicóptero que levava seis turistas estrangeiros para um sobrevôo em Manhattan também caiu no East River poucos minutos depois de decolar, ferindo quatro passageiros.