FBI vai investigar contratos firmados para a Copa do Mundo no Brasil

0
668

Agentes americanos querem saber se houve fraude ou troca de favores entre dirigentes da Fifa e CBF

Blatter deixou a presidência da Fifa
Blatter deixou a presidência da Fifa

DA REDAÇÃO (com ESPN) – O FBI irá investigar nos próximos dias os contratos comerciais firmados para a Copa de 2014. Segundo o jornal ‘O Estado de São Paulo’, o FBI irá averiguar a possibilidade de fraude ou troca de favores entre dirigentes e empresas de marketing.

O Mundial do Brasil teve o Comitê Organizador Local presidido por Ricardo Teixeira e a sua relação com o secretário-geral da Fifa, Jérôme Valcke, está sendo apurada pelos agentes americanos. O que o FBI quer saber é se houve irregularidade nos cinco anos em que os dois dirigentes trabalharam para organizar o torneio em solo brasileiro.

Foram mais de mil contratos firmados, entre eles, parcerias com órgãos governamentais. O depoimento da empresa alemã Bilfiger pode servir para esclarecer o caso: seus diretores teriam pago $1 milhão em propinas para vencer a licitação e controlar o setor de segurança da Copa 2014. Oficialmente, a Fifa alega ter gasto $2,2 bilhões com a organização do Mundial de 2014, o que será analisado pela Justiça dos Estados Unidos.

Valcke está sendo investigado por depósitos de $10 milhões feitos a dirigentes caribenhos para obter votos para a África do Sul na eleição da sede da Copa de 2010. O FBI indica também que o COL, presidido por Teixeira, recebeu $453 milhões da Fifa para fechar estes contratos com parceiros.

Joseph Blatter renuncia
Quatro dias após ser reeleito para um quinto mandato como presidente da Fifa, Joseph Blatter renunciou ao cargo, na terça-feira (2). Ele convocou o Comitê Executivo de forma extraordinária para escolher um novo mandatário.

“Vou continuar a exercer minha função como presidente até um novo ser escolhido. O próximo congresso demoraria muito. Esse procedimento será de acordo com os estatutos”, afirmou o dirigente suíço, desde 1998 à frente da Fifa.

Blatter disse que não estava com o apoio necessário para seguir como presidente do órgão mais importante do futebol mundial. Assim, o comitê executivo extraordinário será convocado entre dezembro deste ano e março do próximo para a escolha do novo mandatário.

A entidade caiu em descrédito nos últimos dias, dois dias antes da eleição presidencial, quando sete membros do comitê executivo foram presos acusados de corrupção. Muitas federações pediram o adiamento do pleito, o que não aconteceu.

Blatter acabou vencendo o único candidato de oposição, o príncipe da Jordânia Ali bin Al-Hussein, depois de a eleição não ter acabado no primeiro turno e o adversário ter desistido de uma nova rodada de votação.

O suíço afirmou que as prisões ajudavam a limpar a Fifa, mas na última segunda-feira seu principal braço-direito, Jerome Valcke, foi acusado de ter dado autorização para que $10 milhões de um fundo da Associação de Futebol da África do Sul (Safa) fossem para o vice-presidente da Concacaf, Jack Warner, um dos detidos pelo caso de corrupção revelado pelo Departamento de Justiça dos Estados Unidos.