Fernanda Andrade, de Weston para o mundo

0
1115

Paulista que veio para a Flórida é hoje uma das estrelas em ascensão em Hollywood

Por: Antonio Tozzi

Fernanda AndradeMuitas vezes, a vida nos reserva um futuro que sequer sonhávamos. Algumas pessoas tinham tudo para ser brilhantes e falham por falta de determinação, esforço e até mesmo de acreditar nelas mesmas. Outras conseguem aproveitar as oportunidades e mostrar seus talentos diante do inesperado que a vida nos traz.

Certamente neste último grupo figura Fernanda Andrade. Ela teve de se mudar de Campinas, no interior de São Paulo, para Weston, na Flórida juntamente com a família. Em vez de lastimar ter deixado amigos no Brasil, ela procurou fazer novas amizades aqui e dedicar-se ao estudo do ballet, que sempre foi sua paixão.

A partir daí, o mundo se abriu, sobretudo depois dela ter descoberto a vocação de atriz. Hoje, ela pode ser vista nas telas do cinema como a protagonista Isabella Rossi, do filme de terror ‘Devil Inside’, que vem arrecadando milhões nas bilheterias, surpreendendo os especialistas.

Em entrevista exclusiva ao AcheiUSA, Fernanda Andrade conta sua batalha para integrar o seleto grupo de atores e atrizes que dão vida aos personagens nas telas de cinema, na capital mundial da cinematografia, Hollywood, Califórnia.

Em primeiro lugar, você pode dizer quem é Fernanda Andrade? Onde nasceu, foi criada, etc.
Quem sou eu? Acho que me pergunto isso todos os dias! Mas a história que me contaram é que eu nasci em São José dos Campos, interior de São Paulo, mas fui criada em Campinas, torcendo para o Bugre (Guarani)! O trabalho do meu pai nos levou para a Flórida quando tinha 11 anos, e agora moro na Cidade dos Anjos (Los Angeles) aqui do outro lado do país!

Como começou sua carreira? Sei que você queria ser dançarina. Como mudou para se tornar atriz?
Cresci dançando ballet. Ser bailarina foi um sonho muito vivo que mantive dentro de mim por muito tempo.Um dia minha professora de ballet sugeriu que fizéssemos uma aula de teatro para aprimorar a expressão. Acabei fazendo uma aula de “acting for the camera” e me encantei. Com o apoio dos meus pais, comecei a fazer o que tinha de trabalho pelo sul da Flórida.

Qual foi teu primeiro trabalho no cinema?
‘The Devil Inside’ é o meu primeiro filme no cinema.

Você participou de alguns episódios de séries como CSI, Law & Order etc., pensa em se tornar atriz de TV também ou seu foco está no cinema?
Comecei na TV e trabalhei a maior parte da minha carreira até hoje na TV. Gostei muito de participar de cada um desses programas. Acho que minha paixão principal é por filmes, mas tive experiências muito boas em televisão. Acho que não interessa o meio, é muito mais o projeto em si.

Como foi a mudança para Los Angeles? Deixar a casa dos pais em Weston e lutar pela sobrevivência e por um lugar ao sol numa cidade onde todos os jovens têm o mesmo sonho?
Nossa, agora que li esta pergunta fiquei até com frio na barriga, mas acho que na época eu não pensei muito sobre o assunto. Tinha certeza de que precisava estar aqui, e vim. Acho que, se tivesse pensado muito, teria sido outra história. Tenho muita sorte de ter uma família que me apoiou sempre e que acreditou comigo.

Você fez trabalhos publicitários como modelo, comerciais de TV, editoriais de moda para completar a renda?
Seria legal falar que foi assim que completei a renda, mas a verdade é que fiz o que quase todo ator faz mesmo, trabalhei em restaurantes em Hollywood até conseguir me sustentar como atriz.

Fale como está sendo esta experiência de ser a protagonista de um filme de terror que vem obtendo bom retorno de bilheteria? Você é fã deste gênero de filme?
Tem sido uma grande alegria. Não cresci assistindo filmes de terror, ainda estou impressionada que minha mãe consegui assistir o meu filme no cinema! Mas este texto me surpreendeu, senti uma conexão muito forte com o personagem de Isabella desde o princípio.

Em sua opinião, a repercussão deste trabalho pode render outros convites para você no futuro? Por falar nisto, teu agente tem recebido contatos de outros produtores?
Nossa, acho que não tenho uma resposta certa para esta pergunta. A verdade é que neste meio nunca se sabe mesmo. Sou muito grata por cada projeto que faço parte e tento mais é me concentrar no presente, confiando que o que vier é o melhor para mim.

Fernanda AndradeA que você credita o sucesso de bilheteria e de público que o filme vem obtendo?
Até surpreende o retorno em função de um orçamento relativamente modesto em termos de produções de Hollywood.
São tantos os fatores que fazem parte de um sucesso assim, mas, no final, o que aconteceu no fim de semana de abertura, não tem uma explicação exata. Tem o fator de interesse por esse tipo de tema, acho que as pessoas tem muita curiosidade com aquilo que a mente humana não sabe explicar muito bem. Também acho que foi uma ideia nova, de fazer um filme sobre exorcismo de maneira bem honesta, de realmente documentar, em vez de sensacionalizar o assunto. Mas, a verdade é que não há uma só explicação. Talvez tenha sido mesmo um dedinho lá de cima, ou de onde seja que você acredita que venham essas coisas que não se explicam, sorte, coincidência, seja lá o que for acho que esse é provavelmente o crédito mais honesto que posso dar.

Você filmou na Itália também?
Eu filmei na Itália sim, mas foi muito curto, quero voltar. Que lugar maravilhoso!

Por fim, se houver algum convite para você trabalhar em uma produção brasileira filme, novela, minissérie interpretando em português, você aceitará? Ou seu projeto se concentra basicamente no cinema americano?
Claro, quero sim. Confio que quando for a hora, o projeto certo chegará tambem.

Que tipo de mensagem você gostaria de dar aos fãs brasileiros da Flórida, seu segundo lar?
Sou muito fã de Elis Regina e, em uma entrevsita, ela disse uma coisa que eu guardo comigo sempre. Aí vai: “Então é aquela coisa, se correr o bicho pega, se ficar o bicho come, então é melhor você não se preocupar com o bicho e ser você o mais possivel que puder”.