Fugitivo do sul da Flórida preso no Brasil

0
631

Acusado de pedofilia, Kenneth Andrew Craig foi detido pela Polícia Federal no Aeroporto Internacional do Galeão

De acordo com os agentes do U.S. Marshals, Craig, de 42 anos, fugiu da Flórida depois de sua liberação em setembro de 1999. Ele havia sido detido em novembro de 1998 depois de ter sido encontrado no quarto de motel em Deerfield Beach com dois meninos menores de idade de Boca Raton a quem ele filmou fazendo sexo entrre eles e com o próprio Craig.

Acusado de atos indecentes, lascivos e praticar sexo com uma criança de menos de 16 anos, Craig também foi enviado para a cadeia no início dos anos 90 por ter molestado sexualmeente um menor de idade em Baton Rouge, na Louisianna.

Depois de ter sido solto, Craig conheceu Eva Corn, uma mulher rica e recém-divorciada que bebia muito e tinha uma mansão em Lighthouse Point e laços fortes com o Brasil, segundo o inspetor sênior do U.S. Marshals, Charlie Feehely. “Ele estava trabalhando em um cinema mas recebia a maior parte do dinheiro de Eva”, disse Feehely. “Era um ponto de encontro de crianças que vivam em lares desajustados. Ele pagava às crianças entre US$150 e US$1,500 para ter relações sexuais no cinema e dava a elas roupas, sapatos e bebidas alcoólicas.”

Quando Eva Corn pagou sua fiança, Craig fugiu. E o dinheiro sumiu depois da morte de Eva por envenamento alcoólico em 2004. Três anos depois, os Departamentos de Polícia de Broward e da Flórida contataram os U.S. Marshals para ajudar a encontrar Craig.

Em novembro de 2008, ele foi localizado e preso no Brasil, mas antes de sua extradição Craig foi solto e logo depois desapareceu. A prisão de Craig é resultado de uma grande campanha de mídia que incluiu a divulgação do caso no “America’s Most Wanted” no sábado e do programa “Fantástico” na Rede Globo de Televisão do Brasil no domingo.

As autoridades receberam diversas dicas de que Craig estava vinvendo no Rio de Janeiro e estava trabalhando como professor de inglês. Craig entrou em contato com as autoridades no Consulado Geral dos Estados Unidos no Rio de Janeiro e concordou em se entregar.