Grêmio vence LDU nos pênaltis e está na Libertadores

0
358

A queda dos torcedores da arquibancada da Arena do Grêmio comemorando o gol da vitória por 1 a 0 contra LDU deve demorar para ter repercussão prática. O inquérito solicitando a interdição daquele setor do estádio depende da perícia, cujo laudo pode levar um mês para ficar pronto.

O Instituto Geral de Perícias de Porto Alegre recebeu pedido para avaliar as condições da arquibancada da Arena na manhã da quinta-feira (31). Prontamente, os profissionais foram destinados ao local para análise técnica.

Porém, o laudo do IGP não será tão rápido. O tempo de espera vai de 15 a 30 dias para que tudo seja averiguado. “Não podemos abrir inquérito sem o laudo. Isso porque pode ser visto que aquela área suportava a avalanche, mas não com tanta gente”, disse o delegado Thomas Pereira da 4ª Delegacia de Polícia de Porto Alegre.

Quando o laudo ficar pronto, a polícia instaurará inquérito baseado no artigo 132 do código penal: expor a vida ou a saúde de outrem a perigo direto e iminente. O Ministério Público, posteriormente, recebe o relatório e analisa.

A quebra na divisória entre arquibancada e campo que resultou na queda de 10 torcedores do Grêmio no fosso da Arena na quarta-feira (30) pode gerar a interdição da área no estádio. Tal afirmação foi feita pelo comandante do 1º Batalhão de Operações Especiais, Kleber Rodrigues Goulart. Enquanto isso, o clube se diz surpreso com a falha estrutural numa arena que acabou de ser inaugurada. Mesmo após este incidente, o presidente da CBF, José Maria Marin, confirmou o amistoso Brasil x França para este local, no dia 9 de junho.

Até a conclusão do inquérito, que pode levar mais alguns dias, a área deve permanecer funcionando normalmente. A administração do estádio tem duas alternativas: refazer a divisória quebrada, ou isolar a área.

Na noite de quarta-feira (30), dez torcedores acabaram caindo no fosso durante a comemoração do gol do Grêmio aos 17 minutos do segundo tempo do jogo contra LDU. A divisória da arquibancada com o campo não suportou a avalanche e acabou quebrando. Oito acabaram feridos, três foram encaminhados ao Hospital de Pronto Socorro, mas todos já foram liberados.

A Polícia Militar pedia, antes da inauguração do estádio, a colocação de cadeiras naquela área destinada aos torcedores da Geral do Grêmio. No entanto, o clube fez força e conseguiu que somente armações chamadas para-avalanche fossem colocados. Não foi o suficiente para evitar o pior.