Guarda Nacional já fiscaliza a fronteira

0
407

Ao todo serão 1.200 tropas vistoriando a entrada ilegal de imigrantes e o tráfico

Os primeiros dos 1.200 soldados da Guarda Nacional remanejados para garantir a segurança na fronteira dos Estados Unidos com o México já estão em ação. O primeiro estado a receber os soldados, esta semana, foi o Arizona, mas o governo federal prometeu que na primeira semana do mês de setembro as tropas também estarão na Califórnia, Texas e Novo México, sem contudo autoridade para exercer funções que são do ICE

Cerca de 30 homens foram deslocados para o Arizona no último dia 30 de agosto. De acordo com o cronograma do governo, a cada segunda-feira um contigente será enviado à fronteira com o Arizona, até um total de 532 soldados. O Estado governado pela republicana Jen Brewer é considerado o ponto principal de entrada de indocumentados, bem como de passagem de drogas e armas.

Na Califórnia, o governador Arnold Schwarzenegger também vibrou com a possibilidade da chegada das primeiras tropas da Guarda Nacional, prevista para os primeiros dias de setembro. “Precisamos de pessoas treinadas e operacionais para essa missão crucial, que é proteger a segurança do povo americano”, disse Schwarzenegger, cujo estado receberá 224 soldados.

Segundo a porta-voz da Guarda Nacional, Valentine Castillo, os soldados serão “olhos e ouvidos extras” que ajudarão a detectar qualquer irregularidade na fronteira. Ela esclareceu que eles terão armas para segurança pessoal, mas não terão poder de prisão, e estarão equipados ainda com binóculos para ver no escuro, câmeras e computadores para a vigilância. Qualquer movimento suspeito será comunicado aos agentes da fronteira através de rádio.

“Qualquer ajuda é importante, mas a fronteira é grande e jamais será vedada totalmente”, acredita o sheriff Tony Estrada, do condado de Santa Cruz, no Arizona. No ano de 2006 foi a última vez que a Guarda Nacional foi usada com o mesmo propósito. Naquela ocasião, o então presidente George W. Bush mandou para a fronteira cerca de seis mil soldados, mas as tropas foram retiradas dos quatro estados dois anos depois.