ICE deportou quase seis mil imigrantes na Flórida, só em 2008

0
523

Número é superior em quase 50% ao mesmo período do ano passado

O número de imigrantes deportados da Flórida no primeiro semestre deste ano superou em quase 50% as deportações realizadas no mesmo período do ano passado, numa prova de que as autoridades do ICE (Immigrations and Customs Enforcement) estão colocando em prática as determinações do governo federal acerca dos indocumentados. Segundo os cálculos da própria agência, 5.889 imigrantes que moravam aqui no estado foram mandados de volta aos seus países de origem, contra 3.942 expulsos nos primeiros seis meses de 2008. Entre os deportados estão colombianos, haitianos, jamaicanos, mexicanos e até brasileiros, como confirmam os advogados que atendem à comunidade.

Se as deportações continuarem nesta mesma proporção, o número neste ano certamente vai atingir o maior nível nesta década, superando os 7.695 de 2003. Aliás, a tendência é que isso realmente aconteça, segundo o advogado Max Whitney: “Podemos esperar mais rigor por parte das autoridades imigratórias nos próximos meses”, disse, acreditando que seu temor se deve à função da situação econômica do país. “Além disso, o número de indocumentados e pessoas que vivem à margem da sociedade nos EUA já ultrapassa os 20 milhões, o que é inadmissível”, explica Max.

Aqui mesmo na Flórida, o ICE colocará em atuação, dentro de um mês, mais dois times de agentes para encontrar e deter imigrantes em situação ilegal e aqueles que ignoraram as ordens de deportação. Atualmente, a agência mantém no estado outras sete equipes. O alvo principal destes agentes são os imigrantes com ficha suja, que representam cerca de 20% do total (algo em torno de 1.251 pessoas). Daí a intenção do ICE em firmar parcerias com as polícias estaduais. Os crimes cometidos por eles vão desde assalto a mão armada, fraude, seqüestro e lavagem de dinheiro. “Imigrantes criminosos demonstram alto índice de reincidência em seus crimes, normalmente dentro da própria comunidade’’, afirmou Michael Rozos, do ICE.