Jogador de futebol americano adolescente de New York morre durante partida

0
700

Estudante que jogava na defesa foi retirado às pressas do campo mas não resistiu

DA REDAÇÃO COM ESPN

Jogador de futebol americano adolescente de New York morre durante partidaUm estudante de 16 anos de New York morreu no hospital depois de colidir com um adversário em um jogo de futebol americano, informaram autoridades de sua escola nesta quinta-feira (2).

A morte de Tom Cutinella, que cursava o primeiro ano do segundo grau na escola Wading River, em Long Island, acontece no momento em que cresce a atenção dada aos efeitos de longo prazo das lesões na cabeça em esportes profissionais e juvenis, especialmente o futebol americano.

Cutinella morreu mesmo tendo sido retirado às pressas do campo durante uma partida contra a escola Elwood John H. Glenn na noite de quarta-feira, declarou Steven Cohen, superintendente das escolas Shoreham e Wading River, em um comunicado.

“A comunidade de nossa escola está verdadeiramente arrasada com esta notícia terrível, e oferecemos nossos mais sinceros pêsames à família e aos amigos de Tom neste momento difícil”, disse Cohen.

Cutinella, que jogava na defesa, sofreu uma lesão na cabeça resultante de uma colisão enquanto bloqueava para proteger um colega, relatou o jornal Newsday.

Cutinella também jogava lacrosse, esporte semelhante ao hóquei, e era membro do Natural Helpers, um programa de voluntários da escola.
“Ele era um aluno brilhante, tinha um grande senso de humor e era uma ótima pessoa no geral”, disse Cohen.

Em maio, o presidente dos EUA, Barack Obama, foi o anfitrião de uma conferência que ressaltou os riscos das lesões cranianas em atletas jovens.

Também neste ano, a Associação Atlética Universitária Nacional (NCAA, na sigla em inglês) e o Departamento de Defesa anunciaram um plano de lançar um estudo de 30 milhões de dólares sobre maneiras de reduzir as concussões em esportistas e militares.

Separadamente, a Liga Nacional de Futebol Americano disse que irá investir 25 milhões de dólares ao longo dos próximos três anos para divulgar a segurança nos esportes juvenis.