Justiça manda soltar entregador de pizza detido pelo ICE em New York

Equatoriano foi preso em junho ao entregar pizza em uma base milita; “apesar de ter ficado nos EUA de forma ilegal, tem sido um cidadão modelo”, argumenta juiz

0
2413
Pablo é casado com cidadã americana e pai de duas filhas
Pablo é casado com cidadã americana e pai de duas filhas

Um juiz federal de Manhattan soltou na terça-feira (24) à noite o equatoriano em situação ilegal detido há quase dois meses pelos serviços de imigração em uma base militar de New York, onde foi entregar uma pizza. As informações são da AFP.

O juiz considerou que as medidas tomadas por Pablo Villavicencio, antes de sua detenção para obter sua regularização com o apoio de sua esposa, que é cidadã americana, justificam sua libertação.

Detido em 1º de junho na base de Fort Hamilton, no extremo-sul do Brooklyn, onde já havia feito entregas, o cidadão equatoriano, de 35 anos, ficou detido por 54 dias, à espera de uma decisão sobre sua possível deportação. Pablo é casado com cidadão americana, já havia dado entrada no processo de legalização na imigração e é pai de duas meninas que nasceram nos EUA.

Em uma audiência na terça, o juiz Paul Crotty questionou abertamente os motivos para deportar um homem que havia iniciado o trâmite para obter um visto de residência, que estava sob análise.

“Existe o conceito de justiça aqui, ou fazemos porque nos dá vontade?”, questionou. “Onde está o dano ao país?”, insistiu.

Na ordem de libertação, Crotty assegurou que, “apesar de ter ficado nos Estados Unidos de forma ilegal” e de, atualmente, estar sujeito a uma ordem de expulsão, “tem sido um cidadão modelo”. “Agora tem dois filhos. Ambos são cidadãos dos Estados Unidos. Não tem antecedentes criminais. Paga seus impostos. E trabalhou diligentemente para manter sua família”, completou o juiz.

“A lei, a humanidade e a moral prevaleceram hoje”, comentou Adriene Holder, advogada de Villavicencio e membro de uma empresa de assistência jurídica.

Para ela, a decisão de terça-feira “constitui a afirmação de que os tribunais ainda podem exercer controle sobre o Executivo, quando este passa por cima das leis e dos princípios”.

O Congresso de Nova York vai, em breve, considerar um projeto de lei para evitar as detenções em um tribunal.