Histórico

Legisladores democratas criticam audiências de reforma imigratória

Os republicanos insistem na teoria de que é preciso primeiro reforçar as fronteiras antes de conceder benefícios aos imigrantes indocumentados.

Três deputados democratas de origem hispânica dedicaram ontem(6) duras palavras às audiências organizadas pelo Partido Republicano para debater a reforma imigratória, que, na opinião deles, deveria ser aprovada o quanto antes no Capitolio.

Os parlamentares texanos Silvestre Reyes, Charlie González e Rubén Hinojosa anteciparam sua intervenção na audiência que se realiza hoje(7) em Laredo (Texas), onde tentarão mostrar outra perspectiva na reunião do subcomitê de Terrorismo Internacional e Não Proliferação da Câmara de Deputados.

Numa entrevista, o deputado Hinojosa disse que “isto não passa da intenção dos republicanos de impor sua agenda sobre as necessidades dos cidadãos”.

Os criadores de frangos, proprietários de frigoríficos e donos de restaurantes, entre muitos outros, necessitam de trabalhadores, e estes são os imigrantes que ignorados pelos republicanos, insistiu Hinojosa.

“As audiências são uma tática política dos republicanos, porque não têm sentido realizá-las depois do Senado e da Câmara de Deputados terem aprovado seus projetos de lei”, assegurou González.

O Senado aprovou em maio um projeto de reforma imigratória, que inclui uma via para legalizar alguns dos cerca de 12 milhões de indocumentados que, calcula-se, vivam no país, que bate de frente com a proposta da Câmara Baixa, muito mais restritiva e que enfatiza a proteção das fronteiras.

Uma conferência bicameral deverá harmonizar os dois projetos, embora seus trabalhos não possam começar até que terminem as audiências convocadas pelos republicanos em todo o país.

“O importante é que temos fracassado na hora de apoiar a Patrulha Fronteiriça. Se olharmos os 10 últimos anos, é desalentador ver como a situação piorou ainda mais após os atentados de 11 de Setembro”, analisou o deputado Silvestre Reyes, que foi diretor em El Paso (Texas) da Patrulha Fronteiriça.

“Somente agora os republicanos se deram conta de que há um problema com a segurança na fronteira”, acrescentou Reyes.

González mostrou-se muito crítico com o modelo de audiências, pois “não inclui empresários ou líderes sociais, e participa apenas pessoal de segurança”.