Líder do Senado cita caso de brasileira em discurso pela reforma imigratória

0
486

Harry Reid ressalta os benefícios do projeto aprovado no Senado e recorda Renata Teodoro

Harry Reid, Líder da Maioria no Senado
Harry Reid emocionou-se com o encontro entre a brasileira Renata Teodoro e sua mãe Gorete

Harry Reid
Líder da Maioria no Senado

Vi em um jornal a foto de Renata Teodoro abraçando sua mãe através da cerca feita de postes de aço que separa Arizona do México.Parada do lado mexicano, Gorete Teodoro colava seu resto contra a cerca enquanto leva a mão de sua filha à sua bochecha, umedecida pelas lágrimas. Como pai, este abraço através de una fronteira blindada me tocou o coração. Como legislador, me encheu de raiva que existam milhares de casos iguais por causa de nosso sistema imigratório falido.

Renata Teodoro é uma DREAMer (brasileira) que foi separada de sua mãe quando Gorete foi deportada em 2007.

O abraço transfronteiriço das Teodoro é emblemático das 11 milhões de razões pelas quais esta semana no Senado aprovamos uma reforma imigratória robusta que inclua um caminho para a cidadania para pessoas como Renata. Este projeto de lei encara o problema da fronteira. Este projeto de lei encara o problema das famílias separadas. Este projeto leva em conta pessoas que contribuem para nossa economia. Todos estes aspectos foram moldados com esta foto em primeiro plano.

E podemos consertar todos estes problemas se nossos colegas na Câmara de Representantes por fim disserem ‘não’ ao Tea Party e se unirem ao Senado nesta oportunidade única para arumar este sistema que não funciona.

Mas para fazer isto necessitamos todo o apoio da comunidade. Apesar desta grande abertura, este projeto bipartidário continuará evitando armadilhas nas próximas semanas. Até agora obtivemos acordos bipartidários graças aos senadores que valorizam o consenso. Derrotamos várias emendas, conhecidas como pílulas venenosas, cujo único propósito era derrubar o pilar mais importante deste projeto: o caminho para a cidadania.

Caminho para a cidadania

Sejamos claros. Por si só, o caminho para a cidadania contemplado nesta proposta é longo e árduo. Na maioria dos casos, levará 13 anos. Além disto, requer que os indocumentados comprovem em duas ocasiões que não tenham antecedentes criminais; requer que paguem impostos, multas, que aprendam inglês e entrem no fim da fila.

Este não é o projeto de lei que eu teria escrito individualmente, nem tampouco aquele que os republicanos teriam escrito independentemente. Mas é asssim que se obtém o consenso, e o cimento da arquitetura legislativa de nossa nação.

Este é um bom projeto de lei que fortalece nossa economia, fortalece a segurança fronteiriça, e dá aos jovens, como Renata, a oportunidade de conquistar um lugar no país que amam como sua terra. Este projeto beneficia pessoas cujo duro trabalho nos campos de nosso país põe comida nas mesas de virtualmente todas as pessoas lendo estas palavras. Cada dia que passa as desculpas para negar a Renata uma solução permanente, e a possibilidade de refazer sua família, se desfazem diante dos fatos.

Mas os opositores mais ferrenhos na Câmara continuam escondendo-se atrás de desculpas. Ignoram os milhões que investimos na fronteira em anos recentes e as fortificações como aquela cerca fronteiriça que se interpôs entre Renata e sua mãe. Estes opositores ignoram os aviões não tripulados que nestes momentos patrulham esta zona e os 21 mil homens e mulheres que protegem a fronteira.

Na semana passada, os patrocinadores da reforma imigratória chegaram a um dramático acordo que coloca mais dinheiro sobre os mais de $4.5 bilhões que o projeto por si só já contemplava. Além disto, este acordo duplica o número de agentes fronteiriços para 40 mil e exige 700 milhas de cerca fronteiriça. Mas a extrema direita nunca vai ficar satisfeita.

Via rápida

Aceitei essa emenda para poder seguir adiante e consertar um sistema imigratório inoperante. O que nunca aceitarei é utilizar metas de segurança inalcançáveis e manipuláveis como ferramentas para destruir o caminho para a cidadania e os sonhos de milhões de pessoas trabalhadoras que só querem regularizar seu status. A nova emenda atende às exigências republicanas e também protege o caminho para a cidadania.

Os inimigos da reforma também se esconderam atrás do “custo”. Apesar de tanto entidades conservadoras e liberais terem publicado estudo atrás estudo que demonstram que uma reforma imigratória estimulará nossa economia, os opositores continuam como um disco arranhado, dizendo que os imigrantes são uma carga econômica. Bem, na semana passada o Gabinete Congressional do Orçamento publicou uma análise que demonstra que a reforma imigratória reduzirá o déficit governamental em $197 milhões durante a primeira década.
Mais decepcionante ainda para os do contra, a análise comprova que entre 2024 e 2033 o projeto do Senado reduzirá o déficit em outros $700 milhões. Quase um bilhão de dólares em economia!

À medida que desmoronam as desculpas sob o peso dos números, fica claro que a única razão que resta aos opositores é o medo dos extremistas, especialmente na Câmara de Representantes, onde uma minoria ultradireitista dita a agenda. Mas se esquecem que no ano passado os votantes americanos, especialmente aqueles de origem latina e asiática, rechaçaram essa visão extremista. A liderança republicana da Câmara arrisca a viabilidade de seu partido se ignorar a vontade dos votantes.

Agora que nos aproximamos dos últimos momentos do debate no Senado, lembro todos que sua participação será importante para o sucesso. Continuarei fazendo tudo o que esteja a meu alcance para levar a reforma imigratória à meta final, e completar o trabalho que iniciei há vários anos. Mas eu e meus colegas nas duas câmaras precisamos de toda a ajuda que pudermos conseguir. Precisamos pelo bem de Renata. Precisamos para que algum dia este abraço entre mãe e filha possa ser um abraço completo e estreito, com as duas do mesmo lado da fronteira, no país ao qual ambas chamam de lar.