Líder sindical polêmico faz campanha contra a reforma imigratória

0
497

Chris Crane, presidente do sindicato dos agentes de imigração, critica diretrizes do governo Obama em relação a imigrantes ilegais e acredita que reforma não vai resolver o problema de segurança

Chris CraneO agente, Chris Crane, comanda o sindicato de agentes da imigração. Os integrantes do governo Obama exasperam-se à simples menção de seu nome.

Recentemente, Crane deu um testemunho sobre o projeto de lei no Comitê Judiciário da Câmara de Deputados, garantindo o recorde como a mais frequente testemunha no Capitólio durante este ano de debate sobre imigração e confirmou ser o especialista favorito dos críticos conservadores da medida do Senado. Uma vez mais, seus alertas foram categóricos e terríveis.

“Os americanos precisam entender que esta lei apenas garante status legal para os estrangeiros ilegais, inclusive criminosos perigosos. Não contém nenhuma promessa de resolver os problemas de imigração de nossa nação”, declarou Crane.

Ele também sentou-se com o senador Marco Rubio da Flórida, um republicano que ajudou a redigir o projeto de lei, e não poupou críticas radicais a seus dispositivos de segurança. Depois, Crane foi a estrela dos noticiários numa conferência de imprensa em que o deputado democrata John Barrow, da Geórgia, apresentou seu projeto de lei alternativo sobre cumprimento da lei, que refletiu muitas das exigências de Crane feitas pela maioria dos agentes de imigração e menos margem de manobra para os funcionários da administração decidir como implementá-las.

E o ritmo está pegando para Crane, embora seu sindicato, o Conselho Nacional de Agentes de Cumprimento das Leis de Imigração e Alfândega, represente somente 7,700 dos 20,000 empregados do órgão de imigração conhecido com ICE.

O projeto de lei do Senado, que sobreviveu ao ataque das emendas hostis no comitê, está rumando para o plenário do Senado com um bom presságio que tem surpreendido até mesmo seus apoiadores, impulsionado por uma coalizão que inclui latinos, empresários da área de tecnologia, fazendeiros, federações trabalhistas e grupos religiosos. Isto criará um caminho de 13 anos para a cidadania aos imigrantes que vivem aqui ilegalmente, fortalecerá a segurança na fronteira e reformulará a imigração legal.

Os oponentes, jogando na defesa, cada vez mais argumentam que o projeto de lei é fraco no cumprimento da lei e permitirá uma nova onda de imigração ilegal. E Crane é o sujeito escolhido para defender este argumento.

Ele diz, em termos absolutos, que o desempenho do governo Obama não poderia ser pior.

“Em toda a fronteira, não estamos fazendo o trabalho de cumprir a lei”, afirmou Crane numa entrevista recente em Salt Lake City, onde trabalha. “É muito preocupante como empregado ver o Departamento de Segurança Interna mentir para o povo americano todos os dias sobre quem nós estamos prendendo.”

Processo contra Napolitano

Ele diz que os agentes do ICE têm ficado expostos ao perigo dos membros de gangue nos centros de detenção, e que os superiores ameaçaram punir agentes por deter imigrantes ilegais encontrados nas ruas. Para reforçar sua afirmação, ele abriu um processo no ano passado contra Janet Napolitano, a secretária da Segurança Interna. Uma decisão de um juiz do Texas sobre este caso é esperada para breve.

Os funcionários que comandam o Departamento de Segurança Interna dizem que os números do cumprimento da lei falam por si só. Sob o governo Obama, o ICE deportou mais de 1,4 milhão de pessoas, incluindo um grande número de criminosos condenados 225,000 no ano passado. Eles acusam Crane de ignorar os números de deportação como parte de uma cruzada pessoal para colocar uma visão de direita na política de imigração, que dizem estar fora de sintonia com seus deveres como um oficial da lei.

Com um discurso óbvio e pouco à vontade na frente da câmera, Crane não se caracteriza como um líder sindical incendiário.

Ele disse ter crescido num lugar conservador em Wyoming e servido o país em duas oportunidades como membro do Marine Corps antes de entrar no ICE há 10 anos. E lembrou de seus primeiros dias lá, quando, segundo ele, seu primeiro supervisor estava frequentemente bêbado no trabalho. Ele se filiou ao sindicato para se proteger de uma retaliação depois de ter reportado seu chefe ao superior imediato.

A partir daí, o moral entre os agentes do ICE vem diminuindo, com o Departamento de Segurança Interna classificado na posição 279 entre os 292 órgãos federais numa pesquisa anual do governo federal feita no ano passado.

“Nossos superiores estão completamente fora do controle”, disse Crane. Ele lembrou um episódio em 2009 numa unidade do ICE em El Paso, TX, quando dois agentes casados disseram que seu bebê nasceu com problemas médicos por causa da pressão no trabalho e dos abusos sexuais durante a gravidez.

Os agentes do ICE protestaram em nome da agente, contou Crane, que chegou às lágrimas ao reviver os eventos.

Recentemente, sua luta com os principais superiores do ICE refere-se à política de instruir os agentes de deportação para exercer um bom arbítrio em relação aos ilegais capturados, deportando criminosos em vez de imigrantes cuja única violação é estar aqui ilegalmente. Crane disse que muitos agentes do ICE consideraram esta política, iniciada dois anos atrás, confusa e contrária à missão deles. Ele travou uma batalha com os gerentes do ICE sobre quando e como os agentes seriam treinados para realizar esta tarefa.

“Eles estão pedindo aos agentes da lei que simplesmente ignorem seus livros de lei”, protestou Crane. “Para os agentes que atuam no campo de ação, não podemos ser efetivos desta maneira. Precisamos ter leis claras, que não sejam ambíguas, as quais podemos ir para as ruas e exercê-las.”

O outro lado

Os superiores mais graduados do ICE discordaram fortemente de muitas declarações de Crane. Brian Hale, porta-voz do ICE, disse que o episódio em El Paso referiu-se ao inspetor geral do órgão e que os gestores do topo não foram mudados. “Qualquer sugestão de que a alegação de uma conduta local equivocada estar de algum modo ligada à política mais abrangente do órgão e aos desacordos entre o sindicato e a diretoria do ICE é incorreta e maliciosa”, afirmou.

Crane é minoria no órgão de imigração. Cerca de 9,000 agentes de investigação do ICE são representados por outra organização, a Associação de Agentes Federais do Cumprimento da Lei, que discorda de sua posição.”O sindicato tem a tendência de disparar mísseis scud em direção ao governo”, disse Andrew Rakowsky, representante da associação no ICE. “Nós trabalhamos para encontrar um meio-termo.”

E Crane é até mesmo minoria entre os líderes dos agentes da lei, com associações nacionais de chefes de polícia e sheriffs empurrando a Casa Branca a apoiar o projeto de lei. Ele está também remando contra a maré no movimento trabalhista, embora sua unidade local esteja afiliada à AFL-CIO. A federação organizou uma campanha nacional para impulsionar a revisão. Seus líderes ainda pediram ao governo Obama para suspender quase todas as deportações enquanto o projeto de lei está sendo debatido.