Mancha briga com elenco do Palmeiras

0
576

Membros da facção uniformizada agrediram os jogadores na Argentina. O goleiro Fernando Prass chegou a sangrar

Revoltados com a derrota do Palmeiras para o Tigre, da Argentina, nesta quarta-feira (06/03), em Victoria, integrantes da Mancha Alviverde transformaram a sala de embarque do Aeroparque, em Buenos Aires, em uma praça de guerra.

Os jogadores haviam feito compras no free shop e aguardavam sentados pelo voo para o Brasil, marcado para as 11h05. Foi aí que os uniformizados encontraram com os atletas. Um integrante da facção, menos exaltado, foi cobrar Wesley, com o dedo apontado para o meia: “Você não está jogando nada, c…Tem que honrar essa camisa, p…”, disse.

Poucos segundos depois outros torcedores chegaram ao local, mais exaltados: “Cadê o falador? Cadê o falador?”, em referência a Valdivia.
Quando avistaram o chileno tomando um lanche em uma mesa um pouco distante de onde estavam os atletas foram para cima do camisa 10. Os ânimos se exaltaram e o ambiente se transformou em uma praça de guerra.

Os seguranças e os companheiros de Valdivia tentaram intervir, mas não deu certo. Copos voaram e explodiram na parede de madeira da lanchonete. Um desses vidros cortou a cabeça do goleiro Fernando Prass, que prontamente foi atendido pelo médico Rubens Sampaio. O massagista Serginho o auxiliou.

Enquanto o goleiro era atendido, era possível ver gotas de sangue abaixo dele, no chão. A quantidade de sangue não era pequena.
Valdivia correu para o banheiro e contou com a ajuda do segurança Adalto, um dos mais antigos do clube. O chileno ficou postado atrás do funcionário, sem pronunciar uma palavra. O zagueiro Maurício Ramos se colocou ao lado do Mago, com o semblante de pânico por toda a situação que os jogadores tiveram de passar antes de pegarem o avião.

Henrique e Bruno, dois dos líderes do grupo, tentaram dialogar com os integrantes da facção, já com a temperatura entre as partes mais baixa. Omar Feitosa, gerente de futebol do clube, estava no meio da confusão e ainda tentou acalmar os ânimos. O presidente Paulo Nobre e o diretor-executivo, José Carlos Brunoro, foram para a Argentina, mas voltaram antes para o Brasil.

O clima antes da partida, no Estádio José Dellagiovanna, estava ruim. Os cerca de 50 representantes da Mancha cobraram Nobre e chamaram Valdivia de “vagabundo e cachaceiro”.