Medida de segurança na fronteira diminui apoio ao projeto de lei

0
515

Grupos pró-imigrantes consideram exageradas as medidas de reforço de segurança na fronteira sul

Medida de segurança na fronteira diminui apoio ao projeto de lei

DA REDAÇÃO COM NYT – Um impulso para amenizar a oposição ao projeto de lei bipartidário de imigração antes de o Congresso dedicar mais dinheiro e força para a tarefa de proteger a fronteira com o México produziu pelo menos um resultado imprevisto: Enfraqueceu o apoio ao projeto entre alguns grupos pró-imigrantes que tinham sido seus aliados mais ferrenhos.
Os pró-imigrantes fizeram protestos em várias cidades nesta semana denunciando um plano aprovado pelo Senado para injetar $ 40 bilhões em medidas de execução das leis ao longo da próxima década, incluindo mais de 18.000 agentes da Patrulha de Fronteira e mais 700 milhas de cerca de aço que demarca os países.
Líderes da Presente.org, a maior organização latina de defesa on-line do país, tomou a iniciativa de opor-se à lei de imigração mais ampla, dizendo em um comunicado que não poderia “em sã consciência” apoiá-la, se isto também está “garantido para aumentar morte e destruição através do incremento da militarização da fronteira “.
Outros defensores estão considerando o mesmo caminho enquanto cada vez mais dirigem suas críticas aos democratas. Em reuniões a portas fechadas, muitos acusaram os democratas de desistir de um compromisso equilibrado sobre a reforma da imigração apenas para mover o projeto de lei para a frente.
“É este o caminho que eles vão, entre aspas, resolver questões de imigração?”, indagou Fernando Garcia, diretor executivo da Rede de Fronteira para os Direitos Humanos, com sede em El Paso, no Texas.

O grupo é um dos vários que assinou uma carta para a “Gang dos Oito”, formado por senadores bipartidários que elaboraram o projeto de lei, denunciando a proposta sobre a segurança nas fronteiras, uma emenda dos dois senadores republicanos, Bob Corker de Tennessee e John Hoeven de Dakota do Norte, que disseram não ter feito nenhuma menção sobre as famílias serem obrigadas a ficar separadas.

“Esta alteração faz das comunidades fronteiriças um cordeiro no altar dos sacrifícios, em troca da estrada para a cidadania”, disse Christian Ramirez, diretor da Fronteira Comunidades Coalizão Sul, com sede em San Diego.

Ao concentrar-se na segurança das fronteiras, o plano Corker-Hoeven levado à votação de forma rápida e sob críticas por legisladores conservadores, que disseram não ter sido dado tempo para digeri-lo o suficiente – ajudou a quebrar a resistência de mais de uma dúzia de senadores republicanos para a revisão de leis de imigração. Quinze deles se juntaram aos democratas para avançar a medida por uma votação de 67-27.

Suas disposições, as mais difíceis da história na aplicação de força na fronteira, levaram o México a quebrar seu silêncio nesta terça-feira (25), quando o chanceler José Antonio Meade disse aos repórteres: “Cercas não vão nos unir. Elas não são a solução para o fenômeno imigratório e não são consistentes para uma fronteira segura e moderna”.
A abordagem mereceu elogios da governadora do Arizona, Jan Brewer, que assinou uma lei em 2010 que reacendeu o debate sobre a imigração ilegal nos Estados Unidos. Ela parou de dar seu apoio ao projeto de lei ao Congresso. “Eu tenho fé que os republicanos da Câmara melhorarão o projeto de lei, fazendo garantir a nossa fronteira como prioridade”, disse.

Em uma reunião em Phoenix (AZ) na quarta-feira (26), na sala de comunhão de uma igreja nas cercanias do centro da cidade, os líderes de 20 grupos de defesa dos direitos dos imigrantes discutiram sobre o que fazer a seguir. Um deles, Carlos Garcia, diretor-executivo da Puente, disse: “Há indignação com o que está acontecendo. Nós não podemos simplesmente colocar nossa cabeça para baixo e aceitar que isso é o melhor que conseguiremos”.

Máxima Guerrero, da Coalizão Arizona Dream Act, perguntou: “Onde é que vamos realmente traçar a linha?” Reyna Montoya, organizadora no Arizona do United We Dream, alertou que, não importa o que aconteça, “não estamos dispostos a comprometer a cidadania. ”

Petra Falcón, diretora-executivo da Promise Arizona, que trabalhou por 15 anos ao longo da fronteira sul, disse que a alteração Corker-Hoeven “pegou muita gente de surpresa”, e a chamou de “um exagero” por causa da quantidade de recursos que dedica à segurança .

Mas Petra Falcón admite que “ainda há boas peças deixadas” no projeto de lei de imigração mais abrangente, como um caminho para a cidadania para muitos dos imigrantes que estão no país ilegalmente.

“A pergunta que temos de nos fazer é: podemos viver com isso, pois devemos continuar nosso trabalho para fazer outras mudanças no caminho?”, Disse ela. “Eu prefiro estar na mesa de negociações do que dizer que vamos parar com isso agora.”

Previous articleBanda O6 – Uma alternativa à música sertaneja e ao forró
Next articleDois brasileiros selecionados na NBA
Fundado em outubro de 2000, o AcheiUSA Newspaper é um jornal semanal em português distribuído gratuitamente por centenas de estabelecimentos comerciais brasileiros, americanos e hispânicos, espalhados pelo estado da Flórida. Com notícias locais, imigração, cultura, agenda de eventos, cobertura social, negócios e a maior seção de anúncios classificados grátis em português fora do Brasil, o AcheiUSA é o mais completo e popular portal para os brasileiros vivendo nos Estados Unidos.