Mesmo com visita de Dilma, EUA querem tempo para pôr Brasil em Global Entry

0
1255

Inclusão do Brasil em programa que facilita entrada de viajantes no país não deve ser anunciada a tempo da visita da petista a Obama, no fim de junho

DA REDAÇÃO (com Folha de S.Paulo) – A visita de Estado da presidente Dilma Rousseff aos EUA no final deste mês poderá ter como resultado concreto o lançamento de um programa norte-americano que agiliza a entrada no país de viajantes frequentes que atendam a determinados critérios, o Global Entry, segundo o ministro da Casa Civil, Aloizio Mercadante. As informações são da Folha de S.Paulo.

O Global Entry é destinado a viajantes frequentes, como executivos. Quem ingressa no programa não é liberado do visto, mas passa por autoridades alfandegárias de forma mais rápida, a partir de guichês eletrônicos.

“O que pode ser decidido agora é o Global Entry. Mas temos ambição de ir além disso. Vamos ver se a gente consegue dar alguns passos já nessa viagem para incrementar o turismo, facilitar negócios para aproximação cultural, econômica e comercia”, disse nesta sexta (19) Mercadante, após encontro entre empresários dos dois países, o fórum de CEOs Brasil-EUA.

Apesar do otimismo do ministro, o governo americano não está certo de que haverá tempo para concluir as negociações e anunciar o Global Entry na visita de Dilma a Washington, em 30 de junho.

Segundo apurou a Folha, funcionários do Departamento de Defesa Doméstica dos EUA tiveram uma reunião em Brasília no dia 17 de junho e se comprometeram a “mais discussões aprofundadas nos próximos meses”. Ou seja, será difícil anunciar uma data de início do programa.

Em entrevista à Folha em abril, o diretor sênior do Conselho de Segurança Nacional da Casa Branca, Ricardo Zúñiga, disse que o Global Entry não estaria “pronto a tempo” da visita de Dilma.

Mercadante admitiu que não é “tarefa simples”, mas destacou que hoje é baixa a taxa de rejeição a pedidos de vistos de brasileiros para viagem aos EUA. “Vamos aguardar a boa vontade do lado americano. Há grande interesse do lado brasileiro.”