Morre no Rio de Janeiro o produtor musical, compositor e cantor Júnior Mendes

0
7895

Tonia Elizabeth

Luiz Mendes Júnior, conhecido como Júnior Mendes, seu nome artístico, morreu no Rio de Janeiro, no último dia 12, aos 63 anos. Ele sofreu um acidente vascular cerebral, depois de complicações causadas por uma trombose.

Júnior foi músico, cantor, produtor, arranjador e compositor. Dono da produtora e dos estúdios da PlayRec, Júnior era filho do saudoso radialista Luiz Mendes e da atriz Daisy Lúcidi.

Júnior Mendes começou sua carreira aos 17 anos e, nesta época foi levado pelo produtor Durval Ferreira para trabalhar na produção do LP do Ed Lincoln. Nesse disco, Júnior atuou como compositor, juntamente com Durval Ferreira e Renato Terra, dos quais era amigo de infância, assim como Guilherme Lamounier.

Em 1972, o artista gravou o disco Karma, pela gravadora RCA. Em seguida, Júnior passou a integrar a “Vitória Régia”, banda do Tim Maia, do qual começou a produzir os discos. Júnior foi produtor do selo RCA por dez anos, até a companhia se converter em BMG/Ariola.
Júnior Mendes teve músicas suas e com o parceiro Gastão Lamounier gravadas por Fábio Júnior, Banda Black Rio, Xuxa, Tim Maia, Sandra de Sá, Trem da Alegria, Emílio Santiago, Guilherme Lamounier e vários outros.

Em 1979, gravou o compacto Toque Tropical, de parceria com Hyldon. Em 1980, lançou um segundo compacto, pelo selo CBS, com as músicas “Conte Comigo”–posteriormente gravada pela Sandra De Sá e “Haverá”. Em 1981, gravou dois compactos: o “Rio Sinal Verde”, que foi trilha sonora da novela Baila Comigo e “Café na Cama”, pela RGE, com a cantora Mariana Richers. Outras composições de Júnior fizeram parte das trilhas de outras novelas, como Jogo da Vida e Desprezo.

Em 1982, Júnior lançou o LP Copacabana Sadia, com arranjos de Lincoln Olivetti e Claudio Stevenson, da Banda Black Rio. Em 1984, o então cantor, lançou o “Então ‘Tá”, tema da novela Transas e Caretas.

De lá para cá, Júnior se dedicou à produção, composição e lançamento de novos talentos, como a cantora Marina Elali. Junior deixa esposa, três filhos e netos e muita saudade na comunidade musical e fonográfica brasileira.

O compositor Renato Terra tem boas lembraças do tempo de infância com Júnior Mendes. “Na década de 60, formamos o conjunto ‘Nômades’. Nosso ‘mundo’ era música e mais nada”, lembra.