Nancy Pelosi lidera congressistas americanos em viagem ao Iraque

0
453

A líder da Câmara dos Representantes dos Estados Unidos, Nancy Pelosi, e o deputado John Murtha, dois dos mais ferozes opositores à guerra no Iraque, foram a Bagdá nesta sexta-feira com uma delegação de congressistas para investigar a situação no país árabe. A visita ocorre em meio a um duelo de poder entre o Congresso e a Casa Branca com relação à estratégia americana no Iraque, que inclui o envio de 21.500 soldados adicionais ao país.

Pelosi e sua delegação visitaram a região fortificada Zona Verde, onde se localiza a Embaixada dos EUA e do Reino Unido, além dos escritórios do governo iraquiano. Ali, ela se reuniu com o premiê do Iraque, o xiita Nouri al Maliki.

Bandeira pede em Washington o fim do financiamento à guerra do Iraque
“Saímos dessa reunião com uma grande compreensão do ponto de vista um do outro”, afirmou Pelosi após a reunião. “Viemos transmitir a nossas tropas o reconhecimento do povo americano a tudo o que eles estão fazendo e para aplaudir seu patriotismo”, completou a líder democrata, que desejou a Al Maliki “muito sucesso”.

Pelosi também se reuniu com o presidente do Iraque, o curdo Jalal Talabani, para discutir a situação da segurança e o processo político local. O gabinete de Talabani informou que também fez parte da pauta a discussão sobre as formas de fazer um governo de reconciliação entre os vários grupos do país ser bem-sucedido.

Pelosi é uma grande crítica da forma como o governo do presidente George W. Bush vem conduzindo a guerra, e recentemente liderou o Congresso na oposição ao plano de aumentar o contingente americano no Iraque. Murtha é um democrata da Pensilvânia e veterano da Guerra do Vietnã (1965-1975) e também se opõe à guerra no Iraque.

Soldados americanos

Dos 21.500 novos soldados que deverão ser enviados ao Iraque, cerca de 3.200 já chegaram a Bagdá e atualmente treinam para iniciar as operações. O reforço não impediu até agora que a violência no país seguisse sem alterações.

Nesta sexta-feira, o Exército americano confirmou que quatro soldados dos EUA foram seqüestrados durante uma sofisticada emboscada na cidade sagrada xiita de Karbala na última semana. Os corpos de três deles foram encontrados em uma Província vizinha. Eles foram assassinados a tiros. O quarto soldado, que também recebeu tiros, morreu a caminho do hospital.

Também hoje, ao menos vinte pessoas morreram no Iraque vítimas de violência. Destas, 15 morreram na explosão de uma bomba em um mercado de animais no centro de Bagdá, segundo informações de oficiais de segurança locais.

A bomba, que segundo os oficiais era de fabricação caseira, explodiu às 9h55 ,e além dos mortos deixou também 35 feridos.

Protestos

Neste sábado está prevista em Washington uma grande manifestação popular contra a guerra no Iraque. A manifestação será realizada em frente ao Capitólio para exigir que o Congresso –agora dominado pelos democratas– ponha um fim à ocupação americana no país árabe.

O protesto é organizado pela coalizão “Unidos pela Paz e Justiça”, e contará, segundo a agência de notícias Efe, com a presença de estrelas de cinema como Tim Robbins, Jane Fonda e Susan Sarandon.

A manifestação pretende enviar uma clara mensagem não só a Bush mas também aos congressistas democratas, que ganharam maioria no Congresso pela primeira vez em 12 anos após as eleições legislativas de 7 de novembro último.

“O povo americano votou em novembro contra a guerra, e é por isso que os democratas controlam hoje o Congresso. Queremos que cumpram os desejos do eleitorado”, afirmou Hany Khalil, porta-voz da coalizão.