Não temos más memórias e nem ressentimento da Williams, diz Senna

0
671

Seu tio Ayrton Senna foi vítima de um acidente fatal em 1994, justamente no ano em que ingressou na Williams. O tricampeão da F-1 perdeu o controle de seu carro na curva Tamburello, do circuito de Ímola, na Itália, e se chocou contra um muro a mais de 250 quilômetros por hora.

“Está todo mundo contente na minha família. Quando tive a confirmação que estava fechado, liguei para minha mãe `Viviane, que comanda o Instituto Ayrton Senna` e meus avós. Meus avós estão bem contentes por eu ter uma chance aqui na Williams. Não existe ressentimento, más memórias. A gente sabe que as coisas acontecem por algum motivo. Estou bem contente, assim como minha família, de poder correr na Williams neste ano”, disse o brasileiro, que já passou pela Hispania e pela Lotus/Renault.

“Será muito interessante correr pela equipe que meu tio pilotou. Aqui ainda tem algumas pessoas que trabalharam com o Ayrton e estou feliz que eles estejam agora me dando a chance de mostrar meu valor. Espero que possamos trazer de volta algumas boas recordações e criar outras novas”, completou.

Ele afirma que ainda não teve a oportunidade de conversar com Rubens Barrichello, que defendeu a equipe inglesa no ano passado e, por conta do acerto de Bruno, não correrá pela equipe nesta temporada. O outro piloto da Williams no começo da temporada será o venezuelando Pastor Maldonado, que correu no time em 2011.

“Espero poder demonstrar do que sou capaz, não apenas para a equipe, mas para mim mesmo. Será interessante ver o que poderemos fazer juntos.”