Obama começa a montar equipe econômica

0
533

Crise internacional exige medidas imediatas

O presidente eleito dos EUA, Barack Obama, vai ter uma reunião de emergência com seus conselheiros econômicos nesta sexta-feira em Chicago (Illinois. Depois disso, o senador falará com jornalistas sobre seus planos para a economia. Será a primeira vez que Obama fala em público desde o discurso da noite de terça, também em Chicago, quando saiu o resultado da eleição.

Segundo informações, assessores de Obama disseram que ele vai visitar a Casa Branca na próxima segunda-feira, para discutir com o presidente George W. Bush os planos para a transição. Sobre isso, Bush disse em Washington que “assegurar que essa transição seja tão tranqüila quanto possível é uma prioridade para o resto da minha presidência. Enfrentamos problemas econômicos que não vão fazer uma pausa para deixar que o novo presidente se acomode no cargo.”

Obama está prestes a anunciar o nome do seu secretário do Tesouro, um cargo de grande importância dada a crise financeira pela qual o país vem passando. Segundo a imprensa americana, Obama estaria analisando pelo menos três nomes para assumir o cargo hoje ocupado por Henry Paulson: Larry Summers, ex-secretário do Tesouro no final do governo Clinton (1999-2001); Timothy Geithner, atual presidente do Banco Central do Estado de Nova York; e Paul Volcker, ex-presidente do Banco Central americano.

Em entrevista à rede de televisão CNN na semana passada, Obama revelou que Summers, Volcker e também o megainvestidor Warren Buffett estavam entre os seus conselheiros econômicos. Com a instabilidade financeira, analistas avaliam que o novo presidente não pode demorar para indicar o nome do novo secretário do Tesouro, já que o mercado e os consumidores afetados pela crise esperam de Obama orientação e sinais de segurança.

O futuro presidente já começou a formar sua equipe ao convidar o deputado Rahm Emanuel, de Illinois, para ser seu chefe de gabinete. Ele também já anunciou os nomes de sua equipe de transição, liderada por John D. Podesta, ex-chefe de gabinete do ex-presidente Bill Clinton.