Obama liga pessoalmente para senadores e pressiona por reforma imigratória

0
457

O presidente Barack Obama ligou pessoalmente na tarde desta terça-feira (19) para os senadores republicanos John McCain (Arizona) e senador Marco Rubio (Florida) para reafirmar que conta com o apoio deles e de outros senadores na aprovação de um projeto de reforma imigratória. A ligação foi feita horas depois que o gabinete do senador pela Flórida divulgou uma nota dizendo que Rubio não reconhecia o projeto de Obama e que eles não estariam trabalhando juntos no assunto.

Os acontecimentos de terça-feira, vem a publico depois que detalhes do projeto proposto por Obama vazou na mídia durante o fim de semana. Nele, Obama propõe aumento nos recursos para garantir a segurança nas fronteiras e exige de empresas e companhias a verificação do status imigratório de novos contratados em quatro anos. Além disso, os 11 milhões de imigrantes indocumentados da nação poderiam requerer um novo tipo de visto, chamado “Lawful Prospective Visa” (visto para futura legalização), de acordo com o esboço de projeto elaborado pela Casa Branca.

Ainda durante o fim de semana, a Casa Branca, negou que a vazamento tenha sido proposital e garantiu que a ideia de trabalhar em conjunto com os republicanos continua nos trilhos. Isso deixou os senadores republicanos que trabalham com o grupo formando por oito senadores (entre Republicanos e Democratas) nervosos. O ex-candidato à presidência John McCain chegou a dizer em uma entrevista que considerava a atitude da Casa Branca em divulgar o esboço uma tentativa de virar a opinião publica contra seu partido.

Quando soube da resposta pública de Rúbio e McCain ao seu esboço de projeto, Obama fez questão de informar que acredita em um acordo comum entre os dois partidos e reafirmou que se ambos não chegarem a um acordo ele vai apresentar seu projeto do jeito que está para votação. Em nenhum momento Obama e ou a Casa Branca negou a veracidade do projeto.

Obama planeja ligar ainda para outros dois senadores republicanos, Lindsey Graham (S.C) e Jeff Flake (Ariz).