Obama não acredita que sucessor mudará suas ordens

0
606

Presidente afirma que seria muito difícil novo presidente enfrentar esse desgaste político

DA REDAÇÃO COM USA TODAY

O próximo presidente não se atreverá a assumir o risco político que ele correria se revertesse a recente ação executiva na reforma migratória, desafiou o presidente Barack Obama na última terça-feira (9), quando previa que suas atitudes alvo de muita polêmica sobreviveriam ao teste do tempo, mesmo sob a administração republicana.

Em discurso para uma multidão em Nashville (TN), Obama disse que é evidente que a reforma imigratória é necessária e defendeu que suas ordens impedirão que mais de quatro milhões de imigrantes ilegais sejam deportados.

“É verdade que uma futura administração queira tentar reverter algumas de nossas políticas. Mas serei honesto com vocês; o povo americano possui basicamente o coração bom e, portanto, quer tratar o povo com justiça e todas as pesquisas revelam que, de fato, alguém sai das sombras, se sujeita a ser investigado, se registra, paga os impostos, a população apoia que ele fique. Então, qualquer administração futura que tente punir as pessoas por fazerem a coisa certa, eu acho, não teria o apoio do povo americano”, disse Obama à uma multidão na sede da prefeitura de Nashville.

Obama acrescentou: “teoricamente, uma administração futura pode fazer algo que eu penso que prejudicaria bastante. Entretanto, não é provável, politicamente, que eles revertam tudo o que eu fiz”.

O presidente reiterou o desafio ao Congresso que, segundo ele, não conseguiu compreender a importância das ordens executivas. No centro comunitário de Nashville, lotado de imigrantes Obama defendeu o plano que provocou indignação entre os republicanos do Congresso, que disseram que o presidente não teria autoridade para promulgar as novas regras. Vinte estados, até agora, se juntaram a uma ação judicial que contesta as ações do presidente.

Obama reiterou seu desafio para o Congresso, que, até o momento, não conseguiu aprovar uma reforma migratória integral. “Quando os membros do Congresso questionarem se eu tenho autoridade para fazer o que eu fiz, eu tenho uma resposta: sim e também de aprovar uma lei”, disse Obama. “Ninguém vai ter um caminho para a cidadania real até chegarmos a uma lei aprovada”, disse.