Obama, otimista, acredita em recuperação rápida

0
847

“Os Estados Unidos sairão mais fortalecidos desta crise”, disse o presidente no seu primeiro discurso no Congresso após a posse

Não faltaram aplausos. No seu primeiro discurso diante do Congresso desde que assumiu o cargo, há pouco mais de um mês, o presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, demonstrou tanto otimismo e confiança na recuperação do país que contagiou a platéia – não só dos parlamentares, mas dos milhões de cidadãos que acompanharam as palavras pela televisão. No ponto principal da exposição, Obama garantiu que o dinheiro em bancos estão seguros e pediu leis mais fortes para controlar a especulação e o sistema financeiro dos Estados Unidos. “Queremos ajudar aos trabalhadores e não aos executivos. Vamos nos reconstruir, vamos nos restabelecer. Os Estados Unidos sairão mais fortalecidos”, afirmou o presidente, admitindo que a economia dos EUA está debilitada e nossa confiança, abalada.
Ele classificou o crédito como “vital” para a economia, e afirmou que se os bancos não voltarem a emprestar dinheiro no curto prazo, o fim da crise estará longe. Ele prometeu um fundo estatal para conceder empréstimos para pagamento de dívidas de estudos ou de automóveis. O governo deve garantir também que os maiores bancos tenham liquidez para emprestar dinheiro em tempos difíceis. A respeito das contas públicas, Obama prometeu contas atualizadas e disponíveis pela internet a todos os cidadãos. “O governo não vai mais esconder o preço das guerras”.
Obama culpou sua situação econômica que herdada, com “um déficit de US$ 1 trilhão, uma crise financeira e uma recessão muito cara”. Entretanto, ponderou que a responsabilidade da crise foi “de todos”. “Nossa economia não entrou em queda da noite para o dia, nem todos os nossos problemas começaram quando o mercado imobiliário quebrou ou a Bolsa de Valores afundou. Nós os regulamos para gastar mais dinheiro e acumular mais dívida, como indivíduos ou como Governo, como nunca antes”.
O presidente prometeu que as medidas que começou a iniciar surtirão efeito. Entre elas, mencionou o plano de estímulo econômico avaliado em 787 bilhões de dólares e o plano de resgate financeiro, assim como sua iniciativa para ajudar os proprietários de imóveis. Ele também pediu ao Congresso que lhe apresente em breve propostas para elaborar a reforma do sistema regulador.