Obama quer controle mais rígido de armas

0
529

Presidente defende medidas que dificultam a aquisição de armas de fogo e limitem as armas de assalto

Presidente Barack Obama

O presidente Barack Obama revelou esta semana suas novas políticas direcionadas a limitar a violência com as armas, atendendo a um apelo do povo americano que está exigindo dos políticos leis mais duras para o controle e a comercialização de armas. Apesar da falta de apetite dos republicanos em restringir o que eles chamam de direito às armas e munições, algumas medidas foram aprovadas para tentar evitar a repetição das carnificinas provocadas por desequilibrados mentais armados até os dentes.

“Embora não haja lei ou conjunto de leis que possam evitar completamente atos de violência sem sentido, e nenhuma lei evitará cada tragédia ou cada ato diabólico,” Obama disse aos jornalistas na Casa Branca, “temos pelo menos a obrigação de tentar fazer algo que possa reduzir esta violência, mesmo se for para salvar uma vida.”

Reconhecendo a dificuldade da luta no Congresso que será travada no futuro, Obama apelou para o apoio do povo, condenando veementemente os analistas conservadores e os ativistas pró-armas por “ridicularizar” os que defendem as reformas por motivos políticos.
“Vou colocar todo meu empenho nisto, assim como Joe Biden, mas digo a vocês que a única maneira de mudar efetivamente é se o povo americano assim exigir”, ele advertiu.

Algumas das principais propostas legislativas apoiadas por Obama e pelo vice-presidente Joe Biden são:

  • Exigir antecedentes criminais na venda de qualquer arma
  • Banir a venda de armas de assalto ao “estilo militar”
  • Limitar os cartuchos de munição a 10 tiros
  • Fortalecer as penalidades para os traficantes de armas

“As mudanças mais importantes que podemos fazer dependem da ação do Congresso”, disse Obama. “Os parlamentares precisam levar propostas à votação e o povo americano precisa pressioná-los para que eles façam isto.”

O presidente assinou ainda uma série de 23 ações executivas “independentes do bloqueio do Congresso” com o objetivo de fortalecer aos leis existentes, aumentar medidas para cuidar da saúde mental e promover pesquisa federal sobre crimes com armas através do Centro de Controle de Doenças.

As ações executivas anunciadas incluíram acusações mais duras aos compradores de armas que falharam na verificação de antecedentes assim como as novas exigências aos policiais federais para rastrear armas recuperadas em investigações criminais.

As recomendações do presidente também são dirigidas aos funcionários do governo para esclarecer que o Affordable Care Act não proibe médicos de perguntar a seus pacientes sobre armas em suas casas e para divulgar uma carta aos fornecedores de cuidado com a saúde esclarecendo que nenhuma lei federal os proíbe de divulgar ameaças de violência às autoridades de segurança do país.

Ato contou com participação de crianças de Newtown

Obama e Biden estiveram acompanhados no evento da Casa Branca pelas famílias das vítimas dos tiros numa escola de Newtown assim como por quatro crianças que escreveram ao presidente depois da tragédia que deixou 20 jovens estudantes mortos.

“Esta é nossa primeira tarefa como sociedade: manter nossas crianças seguras”, disse Obama na abertura de seu discurso. “É por isto que seremos julgados, e suas vozes nos devem obrigar a mudar.”

Biden, que liderou a força-tarefa presidencial para reformar a segurança com armas após a chacina de Newtown, enalteceu os ativistas que se encontraram com sua equipe para ajudar a formular a lista de recomendações. “O mundo mudou e está exigindo ação”, disse.
Embora algumas das propostas de Obama como verificação de antecedentes tenham tido significativo apoio público, a proibição de certos tipos de armas não foram tão bem recebidas por parlamentares ansiosos em agradar os eleitores.

Uma recente pesquisa do Pew Research Center mostrou que a maioria dos americanos 55 por cento apoiam a proibição de armas de assalto, enquanto 40 por cento afirmaram ser contrários à proibição. Em termos partidários, apenas quatro em dez republicanos apoiam tais restrições em comparação à ampla maioria dos democratas.

Oposição promete complicar aprovação de medidas

Parlamentares no Congresso já demonstraram suas dúvidas sobre a viabilidade das propostas mais ambiciosas do presidente. “Nós não teremos uma proibição completa” das armas de assalto, disse a deputada republicana Carolyn McCarthy, de New York. “O líder do Senado, Harry Reid, afirmou não saber se tem os votos para aprovar a proibição das armas de assalto”, acrescentou.

Os apoiadores estão mais otimistas sobre a verificação de antecedentes criminais e as restrições aos cartuchos.

O presidente do Comitê Judiciário do Senado, Patrick Leahy, anunciou que seu painel realizará as primeiras audiências sobre os temas relativos à violência com armas no dia 30 de janeiro.

Em seu discurso, Obama antecipou as reações dos oponentes às suas propostas. “Isto será difícil”, disse. “Haverá especialistas e políticos e lobistas de interesses especiais alertando publicamente sobre um assalto tirânico à liberdade. Não porque isto seja verdade, mas porque eles querem espalhar o medo ou aumentar a audiência ou faturar mais dinheiro para eles, e nos bastidores farão o que for possível para bloquear qualquer reforma sensata e manter tudo como está.”

A Associação Nacional dos Rifles, o mais poderoso lobby pró-armas do país, divulgou um documento em resposta ao discurso do presidente. “Estamos ansiosos em trabalhar com o Congresso numa base bipartidária para encontrar soluções reais para proteger os bens mais valiosos da América” nossas crianças. Atacar as armas de fogo e ignorar as crianças não é a solução para a crise que enfrentamos como nação”, afirmou o NRA. “Apenas os donos de armas honestos e cumpridores das leis serão afetados e nossas crianças permanecerão vulneráveis diante da inevitabilidade de mais tragédias.”

ARMAS NOS EUA

Total de Armas de Fogo Particulares –
O total estimado de armas mantidas por civis nos Estados Unidos é de 270,000,00Percentual de Posse de Armas de Fogo por Civil para cada 100 Pessoas – O percentual de propriedade de armas particulares nos Estados Unidos é de 88.82 armas de fogo para cada 100 pessoas

Total de Armas de Fogo Particulares – Ranking Mundial
Em comparação com o total de armas particulares em 178 países, os Estados Unidos estão no 13º lugar

Percentual de Posse de Armas de Fogo por Civil para cada 100 Pessoas – Ranking Mundial
Em comparação ao percentual de propriedade de armas particulares em 179 países, os Estados Unidos estão no 12º lugar