Opinião: Sonho tornando-se realidade

0
751

Depois de dois meses do Alívio Administrativo assinado pelo presidente Barack Obama, finalmente chegou o momento dos jovens indocumentados poderem sair do limbo ao qual foram jogados pela ilegalidade dos pais e pelo cipoal de legislação e falta de sensibilidade política de alguns parlamentares americanos para corrigir o sistema de imigração dos EUA que está precisando de uma reforma urgente e ampla.

Cansado de tentar negociar com os deputados e senadores, sobretudo do Partido Republicano, para obter um projeto de lei de consenso que reformule o sistema de imigração e coloque na legalidade mais de dez milhões de pessoas que hoje vivem como cidadãos de segunda classe e pressionado pelas entidades de defesa dos imigrantes a comandar uma reforma imigratória, Obama fez o que era possível como chefe do Executivo.

Evidentemente, a Ação de Adiamento (Deferred Action) é um paliativo para remediar a situação desesperadora em que estão os chamados dreamers. O grupo é formado por jovens que vieram para os Estados Unidos trazidos por seus pais, seduzidos pelo sonho americano e pelo desejo de dar melhores condições de vida aos seus filhos.

Entretanto, o tempo passou e as crianças cresceram. Após terem estudado a vida inteira nas escolas americanas, sentiam-se como nativas, a exemplo de seus coleguinhas que aqui nasceram. O choque de realidade veio no momento de matricular-se para uma universidade ou um college. Pelas leis do país, estes jovens estavam impedidos de estudar nas faculdades porque eram “indocumentados” .

Sem ter sido confrontados com este tipo de situação quando eram menores, os jovens indocumentados começaram a fazer um lobby para ver sua situação regularizada. E teria sido, onze anos atrás, se não tivesse acontecido o ataque de 11 de setembro de 2001. Um acordo bipartidário havia sido costurado para aprovar o DREAM Act, uma lei que daria aos jovens indocumentados o direito de estudar nas universidades, servir nas forças armadas e tornar-se cidadãos após cumprirem os requisitos legais.

O temor dos estrangeiros e a constatação de que muitos deles se aproveitaram das facilidades para perpetrar o atentado fez com que o governo da época, comandado por George W. Bush, e a população elegessem os estrangeiros como inimigos da pátria. Deste modo, os imigrantes que nada tinham a ver com o atentado acabaram tornando-se vítimas circunstanciais de uma situação que eles mesmo condenaram.

A partir daí, começou a temporada de caça às bruxas aos imigrantes. Dentro deste cotexto, o acordo foi detonado e nenhuma medida que favorecesse os indocumentados era aprovada. Pelo contrário, o governo foi apertando o cerco e hoje os que não possuem papéis vivem nas sombras com medo de serem deportados do país onde vivem há muitos anos.

Como recheio de sanduíche, os jovens indocumentados começaram a sentir a pressão. Ou seja, não podiam continuar seus estudos e também não podiam trabalhar legalmente e ficavam como verdadeiros párias da sociedade. A instransigência dos republicanos impediu a aprovação de leis que pudessem proporcionar um alívio a famílias e jovens cujo único objetivo era trabalhar para sustentar suas famílias, pagar os impostos e ter uma vida digna.

A canetada de Obama está sendo vista como um ato eleitoreiro, afinal as pesquisas confirmam que ele recebeu muitos votos dos eleitores hispânicos e ainda lidera as preferências neste segmento, apesar da decepção causada pelas sucessivas quebras de recordes de imigrantes indocumentados deportados dos EUA.

Em breve, os jovens indocumentados poderão gozar dos benefícios concedidos aos demais cidadãos e contribuir para o país. Assim, muitos talentos que estavam impedidos de se destacar por causa de uma legislação retrógrada poderão brilhar nas universidades, recolher impostos ao governo com o fruto de seu trabalho e colaborar para o surgimento de empresas e negócios.

Apesar da euforia, vale lembrar que a Ação de Adiamento é apenas um memorando administrativo e não dá aos dreamers o direito de obter a residência permanente. Se depender da vontade da maioria e do bom senso, não só os dreamers como todos os indocumentados poderão respirar aliviados com a aprovação de uma lei que tire das sombras pessoas honestas que querem somente serem reconhecidas como cidadãos de respeito.