Rede de fast food brasileira chega a Miami

0
456

Giraffas, fundada em Brasília na década de 80, inaugura em junho sua primeira unidade em Miami e aposta no tradicional prato brasileiro – arroz, feijão e bife – para conquistar clientela

Quando criaram o Giraffas, os dois amigos de adolescência, Cláudio Miccieli e Carlos Guerra, jamais imaginaram que o restaurante pudesse ir tão longe. Hoje, a rede conta com 340 restaurantes, um faturamento de 520 milhões de dólares, apenas não está presente nos estados do Acre e do Amapá e ocupa a quarta posição no ranking das maiores redes de restaurantes

Agora, os empresários sentiram ter chegado o momento de internacionalização da marca. E a escolha natural foi Miami, a capital da América Latina. A primeira casa será aberta em 25 de junho em uma área residencial da cidade, próxima ao Aventura Mall. Outros três pontos já estão em fase de finalização de contrato e o objetivo é chegar a cinco unidades até o fim de 2012.

O carro chefe é o prato com arroz, feijão e bife, que Miccieli e Guerra acreditam agradará bastante aos consumidores latinos, além dos próprios brasileiros que aqui vivem. E passa a ser uma opção até mesmo para os americanos que nem sempre querem comer sanduíches na hora do almoço.

Os baixos preços dos aluguéis dos imóveis e a ociosidade dos fornecedores facilitou o ingresso da rede brasileira, que segue os passos das churrascarias brasileiras bem-sucedidas no mercado americano, sobretudo a Fogo de Chão, que hoje possui muito mais casas nos EUA do que no Brasil.
Entretanto, as churrascarias atuam numa faixa de alta renda, enquanto o Giraffas vai brigar com redes de restaurantes full service como Applebee, TGIF, Chilli’s etc. O valor médio do gasto por refeição no Giraffas deve girar em torno de 15 dólares em Miami, mais em conta do que o preço cobrado pelos concorrentes, que está em torno de 30 dólares.

Outras redes brasileiras do setor de alimentação estão prospectando oportunidades de abrir unidades no exterior. O Habib’s, restaurante especializado em comida árabe, é um deles. A rede estava com tudo acertado para abrir sua primeira casa em Miami quando ocorreu o atentado de 11 de Setembro de 2001. Aí, com o clima antiárabe que tomou conta da popupação americana, os empresários consideraram mais prudente adiar o projeto, que pode agora ser retomado.