Reunião comunitária pró-reforma

0
545

Antonio Tozzi

No início desta semana, um pequeno grupo de brasileiros se reuniu à noite no restaurante Picanha Brasil, em Boca Raton, para buscar formas de influenciar no processo pela aprovação da reforma imigratória, assunto que nunca esteve tão evidente como agora.

A reunião, comandada por Jonathan Rodrigues e Ana Lucia McCallum, fez questão de despertar a conscientização dos brasileiros para participar de assuntos relevantes para todos os moradores, sobretudo no que se refere ao projeto de lei que pode definir como será a reforma imigratória nos EUA. “Sabemos o que está sendo discutido. No entanto, o resultado pode ser melhor ou pior do que esperamos.
Por isto, é fundamental termos voz ativa neste momento”, disse Rodrigues, concitando a comunidade brasileira a deixar de lado a letargia e se incorporar na luta de todos os imigrantes neste momento: a aprovação de uma reforma imigratória ampla e abrangente.

Recapitulando o que os senadores e o presidente Obama estão propondo para legalizar os indocumentados, Rodrigues enfatizou alguns pontos a serem destacados, tais como exigência de pagamento de impostos, de uma taxa e verificação dos antecedentes criminais; formação de uma comissão de governadores de estados da fronteira para constatar a segurança da fronteira, e somente quando esta comissão estiver satisfeita os imigrantes poderão aplicar para o green card, atrás dos outros solicitantes; estudantes e e trabalhadores agrícolas terão um processo mais acelerado.

O ativista brasileiro lembrou que a maioria dos governadores dos estados da fronteira são do Partido Republicano, portanto podem criar dificuldades para admitir que a fronteira está segura e, desta forma, retardar o processo.

Diga Sim!”

A fim de mobilizar nossos compatriotas, Rodrigues sugeriu que todos os setores da comunidade estejam empenhados em torno de um objetivo comum. Para isso, é preciso engajar o empresariado, as igrejas, a mídia e o próprio povo. Outra ação eficiente é a elaboração de cartas-testemunho sobre o que está acontecendo na comunidade, como deportações, discriminação, abusos no emprego, obstáculos para continuar estudando, etc.

Por fim, é preciso manter contato com os parlamentares de nossa região: Alcee Hastings, Ted Deutsch e Lois Frankel. Uma das ativistas, Renata Bolzello, conseguiu marcar reuniões com dois deles: Lois Frankel e Ted Deutsch, ambos no dia 20 de fevereiro, à tarde. O objetivo é obter cem cartas-testemunho até o dia 20 para mostrá-las aos parlamentares. Todos devem falar com amigos para se conseguir o maior número de depoimentos.

A reunião contou ainda com a presença de Kathy Bird, diretora executiva da FLIC (Florida Immigration Coalition), entidade que vem capitaneando a campanha “Diga Sim!” (“Say Yes!”) e conclama todos os portadores de green card que já podem tornar-se cidadãos a comparecer à FLIC New Americans Citizenship Clinic no dia 23 de fevereiro, entre 11am e 5 pm, na Microcamp (833 W Sample Road, Pompano Beach) para providenciar a cidadania americana. Voluntários estarão fazendo as solicitações gratuitamente e a única despesa é pagar a taxa devida ao USCIS.

Quem quiser participar ativamente e entrar no grupo de brasileiros que luta pela reforma imigratória pode entrar em contato com Ana Lucia McCallum pelo telefone (954) 865-4236 ou com Jonathan Rodrigues pelo telefone (773) 592-4116.