Secretário de Segurança Doméstica apóia cidadania

0
778

Da Redação com AP – O novo secretário de Segurança Doméstica disse apoiar um caminho à cidadania para os 11 milhões de pessoas que vivem sem autorização nos Estados Unidos por ser um assunto de segurança nacional.

Esta foi a primeira vez que Jeh Johnson, que tinha pouca experiência em matéria de políticas de imigração antes de ser nomeado, explica seu enfoque sobre o tema.

Johnson, que foi o principal advogado do Departamento de Defesa, que trabalhou nas diretrizes sobre o uso de aviões não tripulados dos Estados Unidos e ajudou a encerrar a proibição de os gays servirem nas forças armadas, disse que oferecer um caminho para a cidadania a estas pessoas lhes daria alento “para sair da sombras, prestar contas e participar da experiência do país”.

Em um discurso na semana passada perante a Conferência de Prefeitos dos Estados Unidos, Johnson disse que os imigrantes que vivem no país sem autorização, em sua imensa maioria, estão aqui há mais de 10 anos, portanto oferecer-lhes um caminho para a cidadania é “uma comprovação de quem somos como americanos”.

Johnson assumiu o cargo como quarto secretário de Segurança Interna no final do ano passado. Embora tenha visitado a zona da fronteira com o México e se reunido com policiais de imigração, ainda não havia dado detalhes sobre sua opinião até este discurso.
Muitos consideravam que Johnson é uma pessoa competente em matéria de segurança, mas outros questionaram suas credenciais em imigração.

Durante sua audiência de confirmação no Senado, no ano passado, Johnson disse que uma “reforma das leis de imigração com sentido comum” estava entre as prioridades do departamento, mas não deu mais detalhes.

As breves palavras de Johnson sobre a imigração são um reflexo das proferidas por sua antecessora e por Obama.

O presidente e os deputados federais democratas têm pressionado há muito tempo por uma lei de reforma das leis de imigração que, entre outras coisas, inclua uma via para a cidadania para os imigrantes que vivem sem autorização no país e que não são uma ameaça à segurança nacional ou pública. No ano passado, o Senado, controlado pelos democratas, aprovou um projeto de lei que inclui uma cláusula que aumenta em quase o dobro a quantidade de agentes da Patrulha da Fronteira (Border Patrol).

Os republicanos têm objetado que se permita dar a cidadania aos imigrantes sem autorização antes de assegurar a fronteira com o México.
Johnson não revelou como pretende dirigir os esforços para fazer cumprir as leis de imigração.

Na ausência de uma lei viável de imigração no Congresso, Obama aprovou várias diretrizes que no fundamental blindam vários grupos de imigrantes da deportação.

Um programa para impedir a deportação de pessoas que foram trazidas sem autorização ao país quando eram crianças, anunciado pouco antes das eleições presidenciais de 2012, é o mais significativo e permite que muitos solicitem a permissão de trabalho e fiquem protegidos dois anos contra a deportação.

Legisladores republicanos criticaram estes programas, qualificando-os de anistia.