Solidariedade leva brasileira de volta ao país

0
586

Nada melhor do que começar o ano com uma história real de solidariedade – e essa vem aqui mesmo da nossa comunidade do sul da Flórida: a família de Domingas Alves Perez recebeu um belo presente de fim de ano. Depois de cinco anos incomunicável, devido a problemas mentais e financeiros, a brasileira retornou ao convívio de seu filho adolescente e dos 19 irmãos, em Palmas (no Tocantins), graças ao apoio da psicóloga mineira Martha Messias, dos funcionários do Consulado em Miami e da congregação da igreja Catedral del Pueblo, em Miami. “Os últimos meses foram desgastantes, mas felizmente tivemos um final feliz”, resumiu Martha, peça fundamental no esquema de repatriação da brasileira, concluído no dia 31 de dezembro.

Domingas vivia há quase duas décadas na América, mas os últimos cinco anos foram extremamente difíceis. Ao sair de casa e de uma relação violenta e abusiva com o marido cubano, ela foi viver nos becos de Miami, até porque já demonstrava os primeiros sinais de problemas mentais que a impediram de arrumar emprego ou levar uma vida normal. Por várias vezes recorreu a centros de ajuda a mulheres, mas sempre voltava para as ruas, que era onde se sentia bem. Costumava dizer que havia perdido os documentos e a memória, mas sabia seu nome completo e fazia questão de se manter sempre bem-cuidada.

Afastada da sociedade, a brasileira se refugiava, muitas vezes, na marquise de uma igreja hispânica em Miami e, como indigente, só sobreviveu com a ajuda dos ‘hermanos’: “Muitas vezes os membros da congregação doaram roupas e comida, mas também sempre tentamos encontrar os familiares de Domingas, pois percebemos que ela precisava de cuidados médicos”, conta Loida, secretária da Catedral del Pueblo. Ela disse que por várias vezes tentou contato com as autoridades brasileiras, mas o idioma e a falta de conhecimento do país sempre representaram uma barreira.

Foi aí que entrou em cena a mineira Martha, que ouviu um anúncio feito numa rádio evangélica latina sobre a situação da brasileira e decidiu não dar as costas ao drama da conterrânea. “Começamos a procurar pela Internet e pelo telefone algum parente da Domingas em Palmas, até que fizemos contato com uma funcionária da prefeitura, que serviu de elo com a família”, recorda Martha. Ao ser informado do paradeiro da mãe, o filho de Domingas revelou que há anos buscava notícias dela, sem sucesso, e já imagina que ela estivesse morta.

Começava, então, a luta para conseguir levar Domingas de volta ao Brasil. Sem documentos e se recusando a comparecer ao consulado para regularizar a situação, a brasileira acabou dificultando o processo e precisou ser internada várias vezes por conta da agressividade. Entre as idas e vindas e depois da documentação ter sido enviada pelo correio, Domingas finalmente obteve a passagem aérea e um dinheiro para recomeçar sua vida. “Vale um agradecimento especial à equipe do consulado brasileiro em Miami, especialmente ao vice-cônsul Cesar Arevalo. Eles organizaram uma operação relâmpago para viabilizar a viagem, ainda a tempo de reunir Domingas e a família na virada do ano”, ressalta Martha.

As notícias que chegam de Palmas são animadoras: Domingas retomou o tratamento psiquiátrico e, com o suporte familiar, deve retomar a vida normal em pouco tempo. “Estamos contentes que Domingas está de volta ao lar. Agora esperamos que ela recupere a memória e possa contar a sua verdadeira história”, acrescenta Loida.

Carlos Wesley – AcheiUSA Newsaper