Suprema Corte dos EUA rejeita recurso de parente dos Kennedy

0
735

A Suprema Corte dos Estados Unidos rejeitou na segunda-feira avaliar o recurso de Michael Skakel, parente dos Kennedy, que tenta reverter sua condenação pelo assassinato de sua vizinha de 15 anos, Martha Moxley, em 1975.

A Suprema Corte dos Estados Unidos rejeitou na segunda-feira avaliar o recurso de Michael Skakel, parente dos Kennedy, que tenta reverter sua condenação pelo assassinato de sua vizinha de 15 anos, Martha Moxley, em 1975.

Os juízes recusaram considerar o argumento de Skakel de que seus direitos constitucionais teriam sido violados porque o crime já havia prescrito em Connecticut, local da morte da garota, quando ele foi acusado pelo crime, em 2000.

Skakel, sobrinho da viúva do senador Robert Kennedy, também tinha 15 anos na época do assassinato. Ele foi condenado a no mínimo 20 anos de prisão.

O corpo da garota foi encontrado no quintal da casa de seus pais, na cidade de Greenwich, em Connecticut, que ficava ao lado da casa de Skakel. Ela havia sido atingida por um taco de golfe compatível com um conjunto que pertencera à mãe de Skakel.

Segundo os promotores, Skakel estava interessado na garota e ficou com ciúme ao vê-la flertando com seu irmão mais velho, Thomas Skakel, na noite do crime.

A Suprema Corte de Connecticut confirmou a condenação de Skakel.

O Estado eliminou a prescrição para crimes de homicídio em 1976. A alta corte do Estado decidiu que, como o crime ainda não havia prescrito quando a lei mudou, a mudança se aplicaria ao caso.

Os advogados de Skakel, comandados por Tehodore Olson ex-advogado-geral do governo Bush, alegaram que o Estado só apresentou o caso quase 20 anos depois da prescrição do crime.

O recurso mencionava uma decisão da Suprema Corte, de 2003, proibindo os Estados de autorizar processos criminais depois da prescrição.

Olson expressou desapontamento com a recusa da Suprema Corte em avaliar o recurso. O advogado Hope Seeley afirmou que a equipe de defesa continua “esperançosa e confiante que a petição do Sr. Skakel por um novo julgamento, a qual estamos tentando na corte estadual de Connecticut, será bem-sucedida”.

O crime atraiu atenção internacional e juntou-se à série de tragédias que perseguem o mais famoso clã norte-americano, quatro décadas depois dos assassinatos do presidente John Kennedy e de seu irmão Robert.

Integrantes da família Kennedy já se envolveram em escândalos com alcoolismo, drogas, suicídios, prisões e dramas nos tribunais, além de mortes trágicas.