Adriana Sabino: Portugal ocupa o lugar que poderia ser do Brasil

0
871

‘Uma perda para os brasileiros e brasileiras do sul da Flórida e do mundo’

Por Adriana Riquet Sabino*

Adriana Riquet SabinoNa quarta-feira, 21 de março de 2012, o jornal The Miami Herald publicou na seção «Local & State» um excelente material sobre o programa bilíngue Inglês-Português (do Brasil) da escola pública Ada Merritt K-8, com o título «Portuguese Power». A reportagem era ilustrada por um par de pequenos alunos vestidos de “caipiras” na festa junina da escola americana. Quem quiser ler a matéria na íntegra, pode acessar clicando aqui .

Na matéria, uma informação me chamou a atenção: a assinatura do convênio entre o Miami Dade County Public Schools e o Instituto Camões, uma entidade do governo português dedicada a divulgar a língua e a cultura portuguesas. Acho que este é um assunto que merece uma cobertura da nossa imprensa brasileira, pois é do interesse não só da comunidade do sul da Flórida, mas de toda a diáspora brasileira, e mostra a necessidade de se criar uma política oficial do governo brasileiro para o ensino de português para as crianças de origem brasileira que crescem longe do Brasil.

O programa bilíngue Inglês-Português da escola pública Ada Merritt foi criado pelo Miami-Dade County Public Schools, com o envolvimento direto da comunidade brasileira local.

A coordenação dos esforços de divulgação do programa, criado em 2003 numa escola pública americana, foi do Centro Cultural Brasil-USA da Flórida (CCBU). Contamos com o apoio da TV Globo Internacional, inúmeras organizações comunitárias e empresas brasileiras. O consulado ajudou participando da rede de informação.

Muitos brasileiros e brasileiras do Sul da Flórida ainda se lembram dos voluntários do Centro Cultural Brasil-USA panfletando em templos, organizações e empresas. Promovemos reuniões comunitárias para educar a comunidade sobre a importância de um programa deste para as famílias brasileiras que acreditam na necessidade de manter a língua portuguesa e a cultura brasileira. Éramos incansáveis porque acreditávamos estar abrindo espaço para nossa comunidade e cultura.

Após a criação do programa em 2003, com o número mínimo de alunos necessários, passamos a lutar para a criação de um Convênio/ Memorando de Entendimento entre o Brasil e o MDCPS, a exemplo dos que já existiam entre países europeus.
Nosso objetivo era, e continua sendo, oficializar o programa com um acordo com o governo brasileiro e fazer dele um modelo que pudesse ser levado para muitas outras escolas. Acreditamos que, uma vez consolidado numa escola, como um programa piloto, seria um modelo com muito mais condições de ser implantado em outros escolas.

Uma vez criado, este programa contou com um grupo excepcional de professoras, que criou materiais e currículos que ensinavam a língua portuguesa e a cultura brasileira (este material não existia) e com um grupo de pais que abraçou apaixonadamente a causa da manutenção da cultura brasileira e da nossa língua, criando uma organização genuinamente comunitária: a Portuguese International Parents Association (PIPA). O programa da Ada Merritt, iniciado com apenas 64 alunos, hoje conta com mais de 200 estudantes, e é um modelo de excelência para a manutenção das raízes brasileiras das nossas crianças e um poderoso instrumento de divulgação do Brasil e da nossa língua entre as famílias dos alunos não brasileiros.

A criação deste programa é, portanto, fruto dos esforços da comunidade brasileira de Miami-Dade. Nós mostramos como, trabalhando junto com o governo local, primeiro os voluntários do CCBU na fase de criação, depois as professoras brasileiras, com seus esforços heróicos, e finalmente os pais, com o orgulho da sua cultura brasileira, produz-se algo novo e enriquecedor que beneficia a região em que vivemos.
Infelizmente, não conseguimos do governo brasileiro apoio ao projeto de criação do convênio.

O Consulado do Brasil em Miami estudou o assunto e tentou criar um acordo. Mas existem leis e regulamentos no Brasil que impedem certos atos e assinatura de convênios para regulamentar programas deste tipo. E, como este programa é pioneiro, seria necessário existir vontade política para modificar as leis existentes para atender às necessidades de brasileiros no Exterior.

Portugal ocupou então este espaço. A assinatura do convênio entre o Instituto Camões e o Miami Dade County Public Schools garantirá a continuidade e possivelmente a expansão do programa bilíngue Inglês-Português e do ensino do português como língua estrangeira em outras escolas públicas locais. Mas, provavelmente, perderemos o espaço exclusivo de divulgação da nossa cultura, conseguido com tanto esforço por nós, brasileiros do sul da Flórida.


*Adriana Riquet Sabino, Presidente do Centro Cultural Brasil-USA da Flórida (CCBU) www.centroculturalbrasilusa.org